Ferramentas agrícolas motorizadas - A motosserra


Nos últimos anos tem-se assistido a uma grande evolução nas ferramentas agrícolas utilizadas na pequena agricultura caseira. Atualmente já quase ninguém dispensa uma motorroçadora, uma motosserra ou mesmo uma motoenxada. As motorroçadoras fizeram a sua aparição há relativamente pouco tempo e servem para cortar erva, mato ou silvas deixando na arrecadação as foices e as alfanjes. Poupam algum esforço, mas, ainda assim, não são muito fáceis de operar e têm, naturalmente, o inconveniente de consumir combustível. Normalmente são equipadas com motores de combustão a 2 tempos que consomem gasolina misturada com óleo, o combustível que é mais caro nas bombas de abastecimento, mas mesmo assim compensam pelo menor esforço e tempo despendido no trabalho.

As motosserras são ferramentas que já têm uma existência mais longa sendo também imensamente úteis para quem subsiste com baixos ordenados e tem de procurar através do seu próprio trabalho o combustível (lenha) para aquecimento ou outros fins. Quem vive no campo e tem já alguma idade, certamente que se lembra das longas sessões de serração que se faziam para traçar as árvores em pequenos pedaços, para alimentar a lareira o forno ou a fornalha. E serrar árvores, mesmo de pequeno diâmetro, com serras manuais não é um serviço nada fácil. Sei do que falo porque cortei e tracei muitas árvores com uma serra de arco
.

Tanto as roçadoras como as motosserras são hoje ferramentas de preço bastante acessível. Tudo depende da marca, mas com pouco mais de 100 euros, já se compra uma roçadora ou uma motosserra que, se não for para uma utilização muito intensa, servem perfeitamente para desenrascar.

Quanto às motoenxadas são ferramentas um pouco mais pesadas e dado que o trabalho que executam, revolver a terra, exige um corpo e um motor mais robustos, são naturalmente mais caras e um agricultor que tem um pedaço de terra com uma área razoável necessita de uma máquina com alguma força para que o terreno fique convenientemente preparado para as sementeiras. O ideal é uma motoenxada ou um motocultivador que permita o acoplamento de um atrelado para o transporte dos produtos agrícolas, lenha etc.

Os motores de rega também são uma ferramenta indispensável para quem quer produzir os seus próprios produtos agrícolas. Longe vão os tempos em que se tirava a águas dos poços através de engenhos movidos com a força de animais ou até à força dos próprios braços, utilizando aqueles engenhos rudimentares a que se dá o nome de gaivota, cegonha, picota, etc., dependendo da região. Agora quem não tiver um motor de rega, elétrico ou a gasolina não se safa. Felizmente também há instrumentos desses à venda, bastante baratos, mas, claro, tudo depende da área de terreno que se amanha. E, mais importante ainda, é ter um poço ou um rio de onde se possa tirar a água para regar, mas isso é outro assunto que sai fora do tema deste artigo. E, já agora, que bom seria ter uma bomba eólica do tipo americano para fazer a elevação da água. Era o ideal em termos ecológicos.

Existem outras ferramentas agrícolas com motor, mas é sobre estas que vou falar no blog, muito pela sua importância e pelo que facilitam nos trabalhos na horta ou no campo, mas mais ainda porque, como são as ferramentas que atualmente possuo e que utilizo, tenho alguns conhecimentos práticos sobre elas e por isso sinto que posso dar a minha opinião sobre o assunto sem sair do âmbito deste blog que é o de partilhar conhecimentos e experiências adquiridas na Escola da Vida.

Motosserra com dez anos. Funciona a gasolina de mistura (gasolina e óleo). A cilindrada do motor é de 35 cm3 e o comprimento da lâmina de 45 cm. A sua marca (Talon) é pouco conhecida mas a verdade é que tem sido uma ferramenta muito resistente que ainda não teve qualquer avaria. Tanto as instruções no corpo do aparelho como no manual estão apenas em inglês o que dificulta o entendimento do seu funcionamento para quem não conhece a língua. 
Neste primeiro artigo vou falar da motosserra porque foi a primeira ferramenta motorizada que adquiri. E, embora não seja um instrumento essencialmente agrícola, dado que foi concebida para cortar e traçar árvores, ela está intimamente ligada também ao agricultor e a todos os que de alguma forma procuram tirar algum rendimento do que a natureza proporciona. Do trabalho de quem vive no campo, faz parte a recolha de lenha para alimentar o fogão, o forno e sobretudo para aquecimento no inverno e por isso uma motosserra é uma ferramenta indispensável. Apenas comprei este equipamento há cerca de dez anos quando, depois de estar bastante calejado com o corte de arvores com uma serra de mão, achei que estava na altura de começar a executar esse trabalho de uma forma mais fácil e moderna. Bem, na verdade, adquiri a motossera quando, numa loja, encontrei um instrumento desses a um preço que achei bastante acessível, ou mesmo muito barato, (130 euros) tendo em atenção os preços que eram praticados até então neste tipo de ferramentas. Não resisti e não olhei muito para a marca porque, afinal, eu não queria o instrumento para uma utilização profissional e atendendo à cilindrada do motor e ao comprimento da lâmina, achei que o preço estava bom e que não deveria perder aquela oportunidade.

E a verdade é que aquela ferramenta nunca me desiludiu e não pense o leitor que apenas corto um pau de quando em vez. Em casa consome-se muita lenha no inverno com a lareira e também com o forno da broa, para além de que todos os churrascos são feitos obtendo as brasas com a queima de lenha. Já cortei com esta ferramenta muitos metros cúbicos de lenha, obtida de árvores de diversas espécies, entre as quais cerca de meia centena de oliveiras, árvores que são bastante duras com troncos de grande diâmetro. Esta ferramenta nunca me deu qualquer espécie de problema, apesar de já ter sido bastante “apertada”. Funciona a gasolina de mistura e não consome muito, mas para isso também contribui a boa manutenção da lâmina. Com uma corrente afiada regularmente, bem tensionada e lubrificada, conseguem-se bons resultados, poupando-se combustível, provocando menor desgaste do motor e sendo necessário menos esforço a operar o equipamento. Estas ferramentas quando em funcionamento injetam óleo na corrente mediante a aceleração, mas é necessário ter em atenção que devido ao pó e à serradura essa injeção de óleo pode não ocorrer devido a obstrução, o que deverá ser imediatamente remediado para não provocar o excessivo aquecimento da lâmina.


video
Pequeno vídeo mostrando o corte complicado de um pinheiro.

Próximo artigo sobre ferramentas agrícolas motorizadas:


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário :

Postar um comentário