TRABALHOS AGRÍCOLAS



COMO CONSTRUIR UMA PEQUENINA CHÁCARA, SUSTENTÁVEL E BARATA


Este artigo mostra como o autor do blog construiu a sua pequenina chácara agrícola, a baixo custo, recorrendo ao aproveitamento de materiais em desuso que encontrou em aterros e lixeiras. Utilizou o método "faça você mesmo", ou seja, fazendo todo o trabalho por mão própria, conseguindo assim construir um sítio agradável e útil, gastando pouco dinheiro.
Ler mais

COMO CONSTRUIR UMA CABANA DE TRONCOS - teoria e prática

Este artigo pode ser muito útil para quem pretenda, por mão própria, construir uma pequena cabana ou até uma casa, utilizando troncos de árvores. Para além de ensinamentos teóricos, o autor do blog mostra, passo a passo, como construiu a sua cabana desde o corte das árvores até aos acabamentos finais. Uma construção deste tipo funde-se com a natureza, ficando bem seja numa floresta, num quintal ou até num jardim.
Ler mais


O porco adapta-se de tal modo à economia de quem vive em regime de autossuficiência que parece ter sido criado para esse fim. É sem dúvida um omnívoro, come praticamente de tudo, podendo comer e digerir erva. Um porco não se contenta só com erva, mas esta pode ser uma parte substancial da sua ementa. O porco vai, potencialmente, transformar em boa carne tudo o que você cultivar e produzir na sua horta, ou na sua quinta. 


O “Meio Século” tem o prazer de apresentar hoje mais um projeto caseiro do seu autor, uma ideia nova e completamente original.
Perante esta entrada o leitor poderá ser levado a pensar que se trata de bazófia, pois daqui ninguém espera que possa sair alguma invenção que venha a revolucionar o mundo...
Ler mais...


MINI ESTUFA SOLAR
Depois de alguns invernos a comprar alfaces minúsculas, daquelas semeadas nas cuvetes, para depois as plantar e lhes colocar um garrafão transparente sem fundo, por cima, de modo a que essa vasilha fosse como que uma estufa individual para cada planta, resolvi inovar e mandar esse sistema pouco produtiva às urtigas…



APROVEITAMENTO DA ÁGUA DA CHUVA PARA REGAS
Com a conclusão da minha cabana de troncos, o sistema de aproveitamento de águas da chuva da minha chácara, conta agora com mais 14 m2 de área de captação, perfazendo um total de 80m2. Esta área, em invernos de pluviosidade normal, daria para armazenar, à vontade, mais de 100.000 litros de água, o que significa que apenas 1/5 da água...

Ler mais..



SEMENTEIRAS DE OUTONO
Este ano decidi iniciar as sementeiras de alhos, favas e ervilhas um pouco mais cedo. Normalmente faço esse trabalho durante os meses de Novembro e Dezembro, mas como o tempo tem estado ótimo para as tarefas do campo, aproveitei esse facto e semeei já uma pequena quantidade desses produtos, contando fazer outra sementeira lá para finais de Dezembro ou Janeiro, o que, no que respeita às favas e ervilhas...
Continue a ler

A PODA DAS AMEIXEIRAS
Creio que não existe um consenso geral sobre a melhor época para fazer a poda das ameixeiras. Independentemente do tipo de poda e da variedade das árvores, que pode obrigar a que esse trabalho deva ser feito em alturas diferentes do ano, não encontrei uma opinião generalizada que indicasse que essa poda, de um modo geral, deva ser feita no final do inverno, embora a prática corrente seja fazer a poda de quase todas as árvores nessa altura...
Continue a ler




Chegou o outono e com ele vieram também as primeiras chuvas. Depois de um verão muito quente e seco, os terrenos agrícolas estavam completamente ressequidos e só quem tivesse água em abundância poderia lançar-se na plantação de couves ou fazer a sua sementeira de nabos. Quem o fizesse sem ter água arriscava-se a que as sementes desaparecessem, fossem comidas pelas formigas ou, na melhor das hipóteses...
Continue a ler


CRIAÇÃO DE PATOS
Uma das primeiras obras que efetuei na minha chácara foi uma capoeira. Essa capoeira que tem cerca de 100 m2 de área, foi construída de modo a ser segura para evitar a entrada de animais predadores, como a raposa ou o gato toirão e ainda aves de rapina. Esses cuidados impunham-se...
Continue a ler




Depois de um inverno e início de primavera muito chuvosos, os trabalhos agrícolas estavam bastante atrasados e agora, naturalmente, a azáfama é grande para aproveitar o bom tempo para fazer as sementeiras de batatas, milho, feijão etc. e também as plantações de cebolas, alfaces, tomateiros, couves, pepinos… No mercado os vendedores destas plantas não têm tido mãos a medir...
BATATAS E GEADA, UMA RELAÇÃO PERIGOSA
A geada queima as batateiras, eu sei e toda a gente sabe que isso acontece, portanto os batatais semeados em Janeiro e Fevereiro e até mais tarde, correm o risco de um dia para o outro ficarem completamente chamuscados, mais ou menos como ficavam as plantações de tabaco quando se encontravam na fase de secagem...
CRIAÇÃO DE GALINHAS
Há alguns anos atrás não havia ninguém que vivesse numa aldeia do campo que não tivesse o seu galinheiro, fosse para criar frangos para carne ou galinhas poedeiras para que houvesse sempre ovos de boa qualidade. Hoje em dia já não é bem assim, pois os modos de vida têm sofrido grandes alterações e, seja porque as pessoas não tenham tempo para perder com essa ocupação, ou porque nos hipermercados encontramos frangos prontos a cozinhar...
RELVADOS
Não sou jardineiro, nem sequer tenho qualquer formação ou alguma vez aprendi a arte da jardinagem, então… por que motivo é que venho aqui falar de relvados?
O motivo é simples e tem como suporte, tal como na maioria dos artigos que escrevo, as experiências e aprendizagens ao longo da vida, ou como eu gosto de dizer: na “Escola da Vida”.
Poderia fazer um artigo muito bonito, com tópicos sobre os modos de preparar o terreno, escolher as sementes apropriadas, montar um sistema de rega, etc. e tal…
Quando resolvi fazer uma vedação à volta  da minha chácara, pensei em utilizar toros de pinho tratado, não porque seja o que mais se vê em cercas de propriedades rurais e também na vedação das novas estradas (o que parece ser garantia de durabilidade), mas porque daria um aspeto mais rústico, o que era uma exigência que fizera a mim próprio: fazer uma quintinha o mais ecológica possível, sem esquecer a rusticidade, utilizando materiais de pouco custo e que se enquadrassem no meio ambiente rural...
Finalmente consegui fazer a minha primeira sementeira de favas deste ano. Normalmente faço esse trabalho mais cedo, mas os sábados, único dia que tenho disponível para os trabalhos agrícolas, têm estado chuvosos e esse trabalho tem vindo a ser adiado. Também, diga-se em abono da verdade, que mais semana menos semana não faz grande diferença e as favas aparecem quase na mesma altura, pois a planta brota da terra, mas, devido ao frio, mesmo sendo a fava uma planta resistente às geadas, só no inicio da primavera é que se começa a notar mais acentuadamente o seu desenvolvimento...

Tenho um pomar com árvores de fruto das mais variadas espécies. Fiz a sua plantação há cerca de dez anos e de então para cá nunca mais tive falta de fruta em casa. Nele colho maçãs reluzentes, peras sumarentas e saborosas; os pessegueiros dão frutos deliciosos durante quase todo o ano e dos ramos das laranjeiras oscilam, movidas pela suave brisa vinda da serra, enormes laranjas de um amarelo vivo que se desfazem em doce sumo, mal se lhe tira a fina casca...


Num passado ainda não multo distante todos ou quase todos os habitantes das aldeias e vilas amanhavam as suas parcelas de terreno, ainda que para muitos não fosse a sua actividade principal, mas, fosse qual fosse a sua atividade profissional, logo que chegavam a casa depois da jornada diária de trabalho para o patrão, comiam qualquer coisa e dirigiam-se logo para a sua terra, tratar da horta, das árvores de fruto, cavar, regar…

Agora que o meu último projeto caseiro, “um barco a sério”, está quase concluído há que voltar a dar atenção ao blogue e também a outras coisas que foram um pouco abandonadas. A agricultura é uma dessas coisas embora me pareça que, devido à época do ano e também à prolongada seca que atravessamos (acho que já não chove há mais de três meses, pois as últimas e escassas chuvas ocorreram durante o outono e o inverno já vai adiantado), pouco se perdeu com a inatividade nos trabalhos agrícolas


Este ano consegui uma boa colheita de batatas, mas, infelizmente, não tive os cuidados preventivos necessários para a sua conservação e a borboleta, que eu tentei combater evitando produtos químicos, recorrendo apenas à cobertura das batatas com ramos e folhas de eucalipto, não foi suficiente e muitos tubérculos foram atacados, de tal forma que parte da produção se perdeu. As batatas que colhi em Julho seriam o bastante para a autossuficiência familiar desse produto, até às primeiras colheitas de batatas temporãs que deverá ocorrer entre Abril e Junho...


Já ando há alguns anos a plantar uma sebe na minha chácara…
Perante esta afirmação o leitor é capaz de estranhar o tempo referido para plantar uma sebe: “alguns anos?!” ou então ser levado a pensar que se trata de uma sebe muito grande, talvez com quilómetros de extensão…
A verdade é que se trata de uma sebe com a finalidade de delimitar o terreno e tem pouco mais de 100 metros de comprimento, mas a forma como eu tenho realizado o trabalho é que tem obrigado a tanta demora...


Chegou o mês de Setembro e com ele vieram as primeiras chuvas. O depósito que instalei no início de Julho para aproveitamento de águas pluviais encheu completamente, assim como um tanque que recebe as águas excedentes do depósito. Esta água vai ser aproveitada principalmente para lavagens de pisos, uma vez que não tem ligação à canalização. Ainda tentei pôr a máquina de lavar roupa em funcionamento com esta água, mas infelizmente não resultou, devido à pouca pressão da água na entrada da máquina...
Uma das vantagens da produção de produtos agrícolas para consumo próprio é, sem dúvida, a confiança que as pessoas têm naquilo que produzem e que consomem. Ainda, recentemente, surgiu o caso da bactéria E. coli que levou muitos consumidores a desconfiarem dos legumes que compram no mercado e, inclusivamente, a deixarem de os adquiri,r o que causou grandes prejuízos aos agricultores. É nestas alturas que quem tem a sua pequena horta e aí semeia, planta e cultiva os seus próprios produtos, dá ainda mais valor ao seu trabalho...


“Cada folha, uma nota”. Esta frase fazia parte, há alguns anos atrás, de um cartaz publicitário que apelava à plantação de tabaco em Portugal. Lembro-me de o ver afixado na cooperativa agrícola da minha terra e dele constavam também uma planta ou uma folha de tabaco e uma nota de vinte escudos. Teria sido na década de 80 ou talvez já nos anos 90, numa altura em que um pouco por todo o país se plantava tabaco...
A primavera aproxima-se a passos largos e com ela vai chegar também a azáfama aos campos, com a preparação das terras para as várias sementeiras. As acácias já estão em flor e, apesar de estarmos ainda em pleno inverno, aquelas manchas de amarelo vivo são o anúncio da chegada dos dias grandes, com muita luz...
Não se fala noutra coisa neste país nos últimos meses. É a crise para cá, é crise para lá; Fala-se nela ao almoço, ao jantar; é conversa de rua e de café; fala-se nela durante toda a semana, não nos dando folga nem sequer ao domingo. Claro que a crise não é para toda a gente e já ouvi algumas pessoas a vangloriarem-se da sua situação dizendo que não sentem crise nenhuma. Em contrapartida há aqueles que são sobejamente conhecidos como imunes à crise devido à sua situação financeira que, sem ser necessário visualizar os seus extractos bancários...


Estamos em pleno mês de Julho e, como normalmente acontece nesta altura do ano, prevalece o tempo quente e seco o que faz com que, principalmente nos campos e florestas, exista o perigo iminente de incêndios. Por esse motivo é aconselhável a limpeza dos terrenos que não se encontram cultivados, sendo mesmo obrigatória essa limpeza numa área de 50 metros em redor das habitações...



John Seymour, escritor, agricultor e ambientalista, nasceu em Londres em 1914. Ele foi um acérrimo defensor da teoria da auto-suficiência e acreditava que era possível pôr em prática essa teoria, ou seja: era possível ao ser humano, contando apenas consigo e com a natureza, atingir a auto-suficiência, ou pelo menos alcançá-la em grande parte.


Um dos trabalhos regulares de quem vive no campo é a recolha de lenha nas florestas. Embora seja um trabalho que pode ser efectuado em qualquer altura do ano, normalmente é feito com maior frequência no verão e Outono, com vista ao seu armazenamento para consumir durante o inverno. Actualmente, a lenha que se consome é mais para aquecimento, em lareiras ou fogões, porque a maior parte das pessoas já não a utiliza para cozinhar...


De todos os equipamentos domésticos que utilizo há um que é o meu preferido porque, além de produzir um trabalho muito útil, faz com que quebre uma certa rotina entediante, pois o seu uso é sempre ao ar livre e em contacto com a natureza. Trata-se de uma motoenxada com reboque que utilizo para fresagens de terrenos agrícolas, para fazer sementeiras e para transporte de lenhas e dos mais diversos produtos...


Finalmente chegou a primavera. É verdade que o tempo continua muito instável, com chuva e frio, a fazer-nos lembrar que ainda estamos longe dos saudosos dias de sol, com temperaturas amenas a fazerem convidar a um contacto mais íntimo com a natureza. O inverno foi duro com muito frio, chuva e vento, que provocaram algumas catástrofes no nosso país, com destaque para o autêntico dilúvio que aconteceu na Madeira e que provocou o desastre que já todos sobejamente conhecemos...



Ontem, fui à minha chácara colher azeitonas para retalhar e curtir em água. Este ano dá gosto ver as oliveiras carregadas de frutos sãos e brilhantes. Já há alguns anos que as não via assim tão bonitas aqui por estas bandas. Infelizmente muita da azeitona não vai ser aproveitada, pois devido aos elevados custos que comporta a sua colheita, aliada à dificuldade em encontrar lagares a funcionar na zona, muitos proprietários de oliveiras optam pelo seu não aproveitamento...


Esta semana o tempo tem estado óptimo, com um sol radioso, sendo agora a altura ideal para se iniciarem as sementeiras. O verde dos campos irá  dar lugar ao tom castanho das terras lavradas e embora já não seja como antigamente, ainda se nota a azáfama, própria desta época, com muitas pessoas a fazerem o amanho dos seus terrenos. Chegou a altura de, no “Meio Século”, falar um pouco de agricultura... 


O outono é uma das estações do ano com mais trabalhos agrícolas a realizar nos campos. Começando logo no início da estação uma grande azáfama com as vindimas, a que se segue, quase de imediato, a apanha da azeitona. A safra da azeitona é uma das mais importantes tarefas agrícolas...

Neste blog encontram-se vários artigos sobre os trabalhos agrícolas que venho realizando. No post anterior falei da apanha da azeitona e de outras tarefas de outono, no entanto não mencionei a apanha de medronhos, que é um trabalho que também se realiza nesta estação do ano. Na zona onde vivo a apanha de medronhos...


Depois do sucesso do artigo que escrevi com o título “Plantar árvores de fruto”, que já teve cerca de 8000 visualizações, decidi voltar ao assunto, falando agora da poda das árvores. Tal como fiz no artigo anterior não quero de modo algum assumir-me como um expert na matéria, quero apenas transmitir os conhecimentos que adquiri desde que, há cerca de doze anos atrás, fiz a plantação do pomar...
Continue a ler


Nas zonas rurais, antes do aparecimento da Internet, para fazer pesquisas sobre qualquer assunto de que tínhamos pouco ou nenhum conhecimento, era costume irmos “pesquisar” ao café ou à taberna da aldeia. Nesses locais desenvolviam-se autênticos “fóruns” onde se discutia sobre os mais diversos assuntos. A agricultura era um dos temas mais falados...
Continue a ler 


Quem semeia batatas apenas para consumo próprio costuma fazer uma ou mais pequenas sementeiras um pouco mais cedo, em Janeiro ou Fevereiro, para ter batatas novas lá para Abril ou Maio, numa altura em que as batatas armazenadas no ano anterior já se esgotaram ou estão em condições de consumo precário, isto é, a ficarem “chupadas” pelos grelos, ou negras por dentro caso tenham sido tratadas para não grelarem...
Continue a ler


Não pretendo ensinar ninguém a semear ou a cortar batatas, mas sim partilhar apenas as minhas experiências nesse campo e com toda a certeza que existem opiniões sobre o assunto melhores do que as minhas e até, talvez, muitas delas apoiadas em bases científicas, ao contrário das minhas que são apenas baseadas nos conhecimentos adquiridos com o trabalho e experiência prática...


ALFACES E TOMATEIROS EM MINI ESTUFAS
Este ano optei por semear tomateiros numa das minhas mini estufas solares e o resultado foi bastante satisfatório. As plantas germinaram e desenvolverem-se rapidamente, de tal modo que algumas já ultrapassavam a altura da tampa, pelo que resolvi tirá-la e fazer uma grelha para apoio dos tomateiros. Estas plantas, normalmente, crescem bastante e necessitam de ser estacadas...
Continue a ler


Alguns dos trabalhos agrícolas mais aborrecidos de fazer para os pequenos agricultores, são os tratamentos contra as diversas pragas que afetam as culturas. Na primavera, quando os dias estão amenos e húmidos, acompanhados de orvalho, nevoeiro ou chuva e em que as noites são frescas e os dias são quentes está composto o cenário ideal para a propagação do míldio...
Continue a ler



Um dos cuidados a ter com as árvores fruteiras, ou pelo menos com aquelas mais frágeis e que estão com maior carga de fruta, é fazer o escoramento preventivo dos ramos que achamos que não irão aguentar com o peso da produção. Essa avaliação deve ser feita quando os frutos ainda estão pequenos, porque se o não fizermos arriscamo-nos a que um belo dia cheguemos ao pé de uma das nossas estimadas árvores e encontrarmos um ou mais ramos caídos no chão. 



Depois da sementeira de milho que fiz nas primeiras semanas de Abril, chegou a altura de colocar algum adubo nas plantas, que agora já estão com cerca de meio metro de altura. O tempo tem estado de feição para a cultura do milho, pois após os dias de calor que se seguiram à sementeira e que favoreceram a germinação, vieram alguns dias de chuva, o que veio atrasar a necessidade das primeiras regas e permitiu proceder à adubação das plantas, uma vez que a chuva vai facilitar a dissolução do fertilizante e a sua introdução na terra.


Nenhum comentário :

Postar um comentário