DORNES, RAINHA DO ZÊZERE


Dornes

A pequena vila de Dornes é, desde a Idade Média, local de grande afluência de peregrinos, que ali chegam vindos de aldeias vizinhas e também de locais mais afastados, em veneração a Nossa Senhora do Pranto, pois segundo reza uma antiga lenda foi escutado ali, naquelas serras,  um doloroso choro que conduziu a um local onde foi encontrada uma imagem da Virgem Maria Nossa Senhora com o seu Santíssimo Filho morto em seus braços. Graças a esse achado foi ali construída um Capela, por ordem da Rainha Santa Isabel, que chamou à atual Dornes, Vila das Dores…


Esta povoação situada junto ao rio Zêzere a quarenta quilómetros a montante da Barragem de Castelo de Bode, está ainda na zona de represamento das águas dessa barragem e forma uma pequena península que se adentra nas águas da albufeira.

É um local de rara beleza o que justifica também a grande afluência de turistas, que não indo ali por motivações religiosas, o procuram para uns momentos de lazer, contacto com a natureza ou para praticar desportos náuticos, dada a apetência do local para o efeito.

Nos anos 70 e 80 partiam da vila de Miranda do Corvo, por alturas da primavera, autocarros que transportavam peregrinos e a bandeira de Nossa Senhora do Pranto, para ali assistirem às celebrações religiosas e depois se divertirem a tomar banho ou em alegres passeios pelo rio. No regresso, os autocarros paravam na localidade de Sandoeira e depois no trajeto de cerca de cinco km até à vila eram precedidos por um grande número de pessoas montadas em bicicletas, que ocupavam toda a estrada com as suas máquinas enfeitadas com flores ou pequenos ramos de árvores.

Recordo-me dessas excursões a Dornes e de também nos anos em que não ia nos autocarros, ter feito parte dessa guarda de honra ciclista à bandeira.

Remando no Zêzere, anos 70.
Eu gostava muito de ir a Dornes, não tanto pela peregrinação, mas porque era um local que me seduzia pela água, pelas paisagens e sobretudo pelos barcos que lá havia e onde eu adorava navegar. Os barcos a remos, de madeira, eram os que mais me atraíam, mas também costumava viajar num pequeno barco de passageiros a motor que era popularmente chamado de “gasolino” e que fazia carreiras entre Dornes e um café situado na margem esquerda do rio, a montante da vila.

Dornes, ano 2011. A mesma paisagem, os mesmos barcos. Estas embarcações, características
 do rio Zêzere, são construídas com apenas três ou quatro tábuas, muito largas.
Entretanto, algumas tradições foram-se perdendo e agora as pessoas já viajam mais pelos seus próprios meios e menos em autocarros e também já ninguém vai escoltar as camionetas montado nas suas bicicletas, como antigamente.

Um destes dias voltei a passar por Dornes e pude verificar que foram efetuados muitos melhoramentos na aldeia e nas proximidades, mas isso não impede que a vila continue parecendo perdida no tempo e, tal como à quarenta anos atrás, com o seu aspeto simultaneamente misterioso e romântico, a encantar os visitantes e, talvez por isso, lhe seja atribuída a designação de península encantada.

Dornes pertence ao município de Ferreira do Zêzere situando-se no extremo norte do distrito de Santarém e, numa viagem de apenas cerca de 130 quilómetros, consegui circular em territórios de quatro distritos, isto porque o Zêzere serve de delimitação administrativa entre províncias e distritos.

Cheguei a Dornes vindo do IC3 que abandonei na localidade de Cabaços, a partir de onde entrei em estradas secundárias até chegar às margens do rio Zêzere. De seguida, fiz uma visita à igreja e ao cais junto ao rio onde, tal como nos tempos da minha infância e juventude, se encontravam várias embarcações para passeios pelo rio, entre os quais muitos barcos de madeira a remos, característicos desta zona do rio, que tal como dantes ali estão para proporcionar aos turistas ou aos peregrinos belos passeios pela albufeira.

Ponte sobre o rio Zêzere a montante de Dornes. Aqui termina o distrito de Santarém e o Ribatejo, do lado direito e começa Castelo Branco e a Beira Baixa, à esquerda.
De seguida tomei a estrada que apontava na direção de Cernache do Bonjardim e Sertã, após o que percorridos alguns quilómetros cheguei a uma ponte sobre o Zêzere que já tinha avistado à saída de Dornes. Esta ponte liga os distritos de Santarém e Castelo Branco, entrando assim, após a sua travessia, na freguesia de Cernache, concelho da Sertã, deixando para trás a província ribatejana e entrando na Beira Baixa.

Estátua de D. Nuno Ávares Pereira, em
Cernache do Bonjardim.
Depois de chegar a Cernache e a uma rotunda onde está a estátua de um ilustre português de outros tempos que nasceu naquela vila em 24 de junho de 1360, de seu nome Nuno Alvares Pereira, o Santo Condestável, tomei a direção de Figueiró dos vinhos, vindo a encontrar outra vez o Zêzere, no local onde uma ponte muito antiga faz ali novamente a ligação entre distritos, neste caso unindo Castelo Branco e Leiria.

Ali, o rio já não está sob a influência da Albufeira de Castelo de Bode mostrando agora uma natureza agreste diferente da que avistara na zona de Dornes, mas isto apenas para jusante desta ponte, pois a poucos metros a montante avista-se o paredão da barragem da Bouçã, onde naturalmente, embora não dali não dê para ver, estão as águas do Zêzere novamente calmadas e abundantes, por influência desta barragem. De notar que o Zêzere tem para montante desta, ainda outra albufeira designada por barragem do Cabril.

O rio Zêzere, aqui já sem a magnificência anterior, mas mais acima está a barragem da Bouçã e novamente água em abundância. O rio aqui faz de novo "fronteira" entre distritos, neste caso entre Castelo Branco e Leiria.
A partir daqui afasto-me do rio Zêzere, tendo de passar ainda a “fronteira” entre os distritos de Leria e Coimbra, antes de chegar a casa

Pode ver em: http://portugalfotografiaaerea.blogspot.com/2012/01/dornes.html, imagens aéreas de Dornes, espectaculares.

Comentários

  1. Olá meu amigo J. Alexandre, como vai?
    Interessante ... uma vila medieval, tão calma...tão bonita e cheia de histórias!
    Achei linda essa última foto da publicação! :D

    beijinho

    ResponderExcluir
  2. Publiquei no meu blog "A Terceira Dimensão - Fotografia Aérea" imagens aéreas de Dornes ...
    Vejam-nas em:
    A Terceira Dimensão - Fotografia Aérea de Portugal - Dornes
    Agradeço divulgação do link e comentários ...

    ResponderExcluir

Postar um comentário