CONSTRUÇÃO DE UM ALPENDRE PARA BARCO

A minha chácara está agora com um aspeto mais tropical. Fazendo, como é meu costume, a utilização de materiais desaproveitados, sempre que isso é possível, construí uma cobertura em forma de alpendre para ali estacionar o meu barco a remos durante o inverno, tendo alargado a área relvada e feito a plantação, por estaca, de dois troncos de Yucca elephantipes, uma planta originária da América Central, que tem algumas semelhanças com as palmeiras e que, na minha opinião, dá um ar bastante tropical àquela área do terreno.


Construí o alpendre utilizando quatro manilhas de cimento que tinha em armazém e que não me estavam a servir para nada. Essas manilhas foram chumbadas em pequenas sapatas abertas no terreno e depois ficaram a segurar os barrotes inclinados, barrotes esses que ficaram presos às manilhas através de pregos e de uma peça em ferro chumbada no cimento que foi colocado no cimo das manilhas. Depois, por cima dos barrotes, preguei algumas tábuas que ficaram a suportar a cobertura. Essa cobertura foi feita com um material que normalmente não é utilizado para esse fim, mas eu sempre tive o hábito de flexibilizar a utilização dos materiais de que disponho e fazer com isso projetos bastante originais e acho que este alpendre não foge à regra dessa originalidade. O material de que tenho estado a falar são persianas de pvc que encontrei abandonadas, algumas em locais pouco próprios para isso, causando poluição visual e ou ambiental.

Mas porquê utilizar persianas numa cobertura, quando tenho armazenado uma grande quantidade de telhas provenientes da substituição de telhados e que ainda se encontram em bom estado? A resposta é, como disse em cima, gostar de projetos originais e também para que a própria cobertura ficasse a condizer com o barco que ficou a proteger. Esse barco foi construído em madeira e folhas de metal zincado, mas foi todo forrado com persianas e por isso o nome que lhe dei, “João Persiana”, tentando fazer um trocadilho com “João Pestana”, uma personagem da mitologia infantil que significa “o sono a chegar”.


Quando concluí o alpendre preparei o terreno em frente, onde plantei os dois troncos de Yucca e fiz uma sementeira de grama, de um género que estava publicitado como tendo muita pouca necessidade de regas, o que seria o ideal visto na chácara não ter água em abundância. A água disponível para regar na propriedade é proveniente de água da chuva armazenada em tanques e tem por isso de ser usada com muita parcimónia. Esta sementeira foi feita no início do outono e foi um autêntico fracasso, poucas sementes germinaram, talvez devido à completa ausência de chuva e temperaturas elevadas, apesar de ter regado a terra quase diariamente, até à altura em que verifiquei que estava simplesmente a desperdiçar água e que a sementeira estava perdida.




Não quis arriscar a fazer novo lançamento de sementes à terra com receio de estar a gastar mais dinheiro e a fazer trabalho em vão, pelo que decidi arrancar pedaços de grama, que já tinha plantado antes em outras áreas da chácara, a maior parte delas com alguma raiz e plantá-las no terreno, tendo para isso aberto regos afastados entre si cerca de 20 cm, nos quais ia colocando os pedaços de grama também separados por cerca de 20 cm. Usei este método de fazer a plantação porque assim os regos iriam permitir a irrigação das plantas sem ter que regar o terreno todo, poupando assim alguma água.



Este modo de fazer um gramado resulta, mas demora algum tempo, direi mesmo que leva mais de um ano até que o gramado fique devidamente composto, porque fica algum espaço entre as plantas que, antes de ficarem preenchidos com grama, vão ser invadidos por ervas de várias espécies e a grama vai ter que lutar para conquistar esse espaço, luta que se torna mais difícil se as ervas não forem arrancadas e também porque no inverno a grama entra em dormência e sofre muito com as geadas ao contrário de outras ervas que resistem melhor ao inverno. De qualquer modo e tenho conhecimento disso por experiência própria, a grama irá vencer e formar um tapete verde uniforme, expulsando as outras espécies.


Passados dois meses após a plantação da grama o terreno já está com um manto verde, mas a maior parte desse verde são ervas invasoras.

O vídeo que se segue mostra como foi feita a construção do alpendre.


Artigos relacionados:

João Persiana é um barco que o autor do blog construiu para navegar em lagos ou pequenos rios. Na sua construção foram reaproveitadas madeiras em desuso e também persianas de pvc encontradas em aterros ou lixeiras. O barco foi batizado com o nome "João Persiana" devido aos materiais utilizados e também para fazer um trocadilho com "João Pestana", uma personagem da mitologia infantil que significa "o sono a chegar"...   Quero ler o artigo

O autor do blog teve uma fase da vida em que a construção naval em miniatura o apaixonou. Construiu sete miniaturas de navios utilizando madeiras de móveis velhos. Não se trata de miniaturas fiéis de navios que existiram, mas são peças decorativas muito bonitas e, apesar de terem levado muito tempo e dado imenso trabalho a elaborar, o autor admite que foi um tempo bem empregue, sendo que a recompensa pelo trabalho realizado, é a satisfação e o orgulho pela obras feitas...  Quero ler o artigo
TALVEZ GOSTE TAMBÉM DE...

Comentários