AS PONTES DO NOVO IC 3/A 13


Neste local está a iniciar-se a construção de uma ponte cujo tabuleiro irá ficar a cerca de 200 metros do fundo do vale.
Fica na zona de Ceira e sob ela passa o rio com o mesmo nome e também a Estrada Nacional 17 (Estrada da Beira).

Junto à povoação do Cabouco e da margem esquerda do rio Ceira, estão a ser construídos dois grandes pilares de betão que se destinam a sustentar o tabuleiro da enorme ponte ou viaduto que irá passar por cima duma estrada secundária que liga a EN 17 ao Cabouco, do rio Ceira e da própria Estrada Nacional 17, ou Estrada da Beira, como também é conhecida. A elevada altura das torres em construção é o resultado do abandono da hipótese da construção de uma ponte mais pequena, que ficaria situada entre dois túneis, um dos quais entraria, para lá da margem direita do rio Ceira, no interior da serra do Carvalho e iria desembocar perto da povoação das Carvalhosas e da margem esquerda do rio Mondego. De resto, do outro lado, na encosta sobranceira à E.N. 17 já se encontra em preparação o terreno para a implantação dos outros pilares da ponte, onde já foram demolidas algumas casas e outras irão também desaparecer, certamente, dado que no local e na direção para que aponta a estrada avistam-se alguns edifícios.


Neste vale encontra-se algo que parece uma estrada, mas não é. Ali, durante mais de cem anos, circularam os comboios
do Ramal da Lousã que neste local cruzavam o rio Dueça em duas pontes separadas por cerca de cem metros. Agora os dois montes que encaixam a linha e o rio vão ser unidos por um viaduto.

A gigantesca ponte que ali vai surgir é apenas uma das muitas obras de engenharia do género que figuram no novo IC3, uma auto-estrada que se encontra em construção entre Tomar, Condeixa e Coimbra. A estrada vinda de Tomar em direção a Condeixa, já se encontra num estado adiantado de execução e agora está a ser construído o lanço que, segundo o projeto inicial, ligaria o IC3 desde a zona de Almalaguês ao IP3, para os lados da Pampilhosa.

Toda esta estrada passa por zonas de terreno muito acidentado e por isso tem imensos viadutos, alguns de grande dimensão, que tornam a construção muito dispendiosa, mas a parte que vai ligar ao IP3 é notoriamente de dificuldade e gastos acrescidos, já que nela terão de ser construídos vários viadutos de grande dimensão, entre os quais figuram, para além do viaduto sobre o rio Ceira, um outro que irá ligar os cumes de dois montes, passando sobre o rio Dueça e também por cima  da linha ferroviária do Ramal da Lousã. Se o projeto inicial for cumprido deverá ser ainda construída uma nova ponte sobre o rio Mondego.

Entretanto, segundo notícias recentes, por motivos financeiros, a estrada deverá terminar junto da ponte da Portela do Mondego, o que parece provável, dada a situação económica do país, mas nada é ainda definitivo.


Um viaduto em construção próximo de Almalaguês. Devido às muitas elevações e depressões do terreno
  a estrada mais parece uma imensa ponte e os montes os seus pilares.

Atualização em 23 de Dezembro de 2012


As obras do troço de ligação do IC3/A13 a Coimbra continuam a um ritmo veloz. Já foi iniciada a construção das torres de sustentação do enorme viaduto que vai passar por cima do rio Dueça e da Linha da Lousã. O outro grande viaduto que irá atravessa o rio Ceira e a Estrada da Beira, já tem também em construção, do outro lado do rio e da estrada, duas torres de elevada altitude e mais acima já na zona de Lagoas/Ceira estão mais pilares em construção, pois o viaduto vai chegar até aí. Nessa zona a estrada, ou melhor o ramal que seguirá para a Portela vai infletir para a esquerda, uma vez que a estrada vai continuar na direcção do IP3, indo atravessar o rio Mondego não muito longe dali.



Este grande viaduto apenas vai acabar para lá das torres em construção, à esquerda na foto. Depois
 a estrada  (acesso da zona da Portela à A13) vira à esquerda e começa a descer na direção da Portela.

Apesar de terem surgido notícias que dão como certo o fim da estrada na zona da Portela será pouco provável que isso aconteça, em vista do enorme investimento que está a ser feito com este viaduto. Para quê então um projeto desta grandeza, se depois a estrada, após dar uma grande volta, viria acabar a apenas algumas centenas de metros do local onde atravessa a Estrada da Beira? Parece que não faria grande sentido.

Atualização em 30 de Junho de 2013

Na construção das duas pontes gigantescas do novo IC3/A13, próximo de Coimbra, já começou a colocação dos tabuleiros. Estas pontes impressionam não só pela sua elevada altitude, mas também pela natureza dos terrenos onde estão a ser instaladas, de orografia muito acidentada. Há alguns anos atrás ninguém imaginaria ser possível construir, naqueles locais, pontes de tamanha envergadura.




A ponte sobre o rio Ceira, na zona do Cabouco.

Os enormes pilares da ponte sobre o rio Dueça e linha de caminho de ferro
da Lousã, que tornam ainda mais minúscula e insignificante a pequena
 ponte dos comboios, que se avista no meio dos pilares.



Atualização em 13 de Setembro de 2013

Está prestes a começar a colocação do tabuleiro no enorme vão da ponte que passa por cima do rio Ceira e estrada da Beira. Obra de engenharia que impressiona não só pelo seu tamanho, mas também pela grande altura do tabuleiro em relação ao leito do rio.





A cerca de um quilómetro para sul, a outra grande ponte que atravessa uma ravina, passando por cima do rio Dueça, que é um afluente do Ceira, e também da linha de caminho de ferro da Lousã (caminho atualmente sem ferro), já tem colocada uma parte do tabuleiro correspondente a duas faixas de rodagem.




Este lanço da autoestrada entre a zona de Almalaguês e Coimbra tem cerca de meia dúzia de quilómetros de extensão e outras tantas pontes de grande dimensão, o que significa que o terreno é muito acidentado, mas também que agora já não se contornam os obstáculos, passando-se, antes, por cima deles. Esta ponte em Ceira está separada apenas cerca de duzentos metros em ambos os lados por outras duas pontes um pouco mais pequenas.




Atualização em 19 de Janeiro de 2014

Está quase pronta a ponte sobre o rio Ceira. O vão central que passa por cima do rio e da E. N. 17 (Estrada da Beira), com uma grande distância entre pilares está em vias de conclusão. As modernas técnicas de construção de pontes fazem com que pareça fácil este tipo de obras, em locais de orografia muito complicada, como acontece aqui.






Atualização em Maio de 2014

As pontes foram concluídas e estão abertas ao trânsito desde o dia 25 de Abril de 2014. Para a conclusão deste post publico duas fotos um pouco diferentes.



O rio Ceira e a Estrada Nacional 17 (Estrada da Beira), vistos de cima da ponte.


Esta é a grande ponte que atravessa o rio Dueça. O pormenor curioso é que o rio é chamado de "Corvo", aqui, já próximo da foz, tal como acontece na outra ponte desta mesma estrada, nas proximidades de Penela, a poucos quilómetros da nascente. Os habitantes da região conhecem o rio como "Dueça" e junto à nascente existe mesmo uma povoação com o nome de "Dueça". Também existem dados históricos que apontam para que esse seja o seu nome verdadeiro, já desde os tempos de D. Afonso Henriques. ( Para quem se interesse por estas curiosidades histórico-geográficas pode consultar um post deste bolg sobre o assunto em: Rios com vários nomes. 

Comentários

  1. Obra nunca vista em portugal e sem o devido Reconhecemento e propaganda

    ResponderExcluir

Postar um comentário