REPLANTAR UMA ÁRVORE PASSO A PASSO

Quem tem uma horta, um quintal ou até mesmo uma pequena quinta e lá tem as suas árvores de fruto, ou outras, já irremediavelmente se deparou com a circunstância de que uma determinada árvore foi plantada num sítio que mais tarde verifica não ter sido o melhor, ou que precisa de utilizar o local onde está a árvore para outro fim.

Isso foi o que já aconteceu comigo, por várias vezes, devido à evolução constante da minha chácara, mas também e sobretudo porque o espaço é bastante reduzido. Quando fui confrontado com estas situações, não hesitei em libertar o espaço, mas tentando sempre, com todo o cuidado, preservar essas árvores, replatando-as noutro local.

Já replantei um limoeiro, uma ameixeira, uma romãzeira, duas ou três macieiras e pessegueiros, tendo todas estas árvores sobrevivido e, no caso do limoeiro, essa árvore até foi replantada por duas vezes, estando agora no terceiro local do terreno, mas nem por isso deixando de produzir limões suculentos.

Uma nespereira que tinha plantado à cerca de meio ano, foi o mais recente replante que fiz, por estar a precisar do sítio onde ela estava para um novo projeto. As nespereiras são árvores de folha persistente e encontram-se nesta altura em seu pleno desenvolvimento vegetativo, razão pela qual esta operação de replante tem riscos acrescidos para a árvore. Para o maior sucesso de plantação ou replantação de qualquer árvore, este trabalho deve ser efetuado no período de dormência da árvore, ou seja, durante o inverno, mas como preciso do espaço onde ela tinha sido plantada, decidi arriscar e fazer a sua mudança de local neste mês de Julho.

Escavando em volta da árvore para fazer o seu arranque

Retirando a árvore da cova

Para ter mais hipóteses desta operação ser bem sucedida, procedi com cautelas redobradas, fazendo uma escavação funda em redor das suas raízes e em seguida retirando a árvore com a maior quantidade de terra possível agarrada, de modo a danificar o menos possível as raízes. De seguida transportei a árvore para a sua "nova residência", uma cova que já abrira antes e que fiz com dimensões suficientes para que o torrão que rodeava e tronco e as raízes da nespereira coubesse à vontade no buraco, ficando esse torrão assente e envolto em terra solta de modo a que as raízes que emergiam do torrão se acomodassem bem no terreno.

Colocando a árvore no novo local

Depois de colocada a árvore na cova, não sem antes lá ter jogado alguma água, esta foi manobrada de modo a que o seu tronco ficasse orientado geograficamente na mesma posição em que estava antes e com a colocação de terra solta por debaixo e em redor do torrão de modo a que ficasse direita na cova. Depois coloquei mais água para que a terra solta se infiltrasse por debaixo do torrão e acamasse bem em redor das raízes da árvore,

Regando a árvore

De seguida coloquei algum estrume em redor da árvore, mas afastado das raízes, de modo a que estas não entrem imediatamente em contato com o estrume, o que lhes seria prejudicial, mas sim um pouco mais tarde, quando as raízes já estiverem a crescer e adaptadas ao novo local. De seguida reguei de novo, concluindo assim este replante de risco, devido a ter sido feito fora de tempo.

Não sei se esta operação irá ter êxito ou não, mas vou acompanhar o desenvolvimento da árvore durante os próximos dias e dar conta do seu estado aqui, no blog.

Como pretendo com este post mostrar como fiz este replante na prática, sem teorias e utilizando apenas os meus modestos conhecimentos, fiz um vídeo para mostrar passo a passo como procedi.  



Comentários

  1. Excelente informação! Infelizmente, também tenho tido frequentemente necessidade de mudar plantas grandes de local e costumo fazer exatamente o mesmo. Mas descobri que tenho cometido um erro porque quando enterro o torrão costumo completar o resto da cova com matéria orgânica (que ainda se encontra num estado muito atrasado de decomposição e ainda com pequenos pedaços de madeira, etc.). Felizmente que isso ainda não me fez perder nenhuma planta :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por muito grande que seja o torrão há sempre raízes que são feridas pelo arranque da árvore, pelo que não convém de forma alguma encostar a matéria orgânica ao torrão. Apesar deste replante ter sido feito numa época pouco aconselhável, estou esperançado na sua sobrevivência porque a árvore ainda é pequena e as raízes não foram muito afetadas, vamos ver...
      Obrigado pela participação no blog,

      Excluir

Postar um comentário