A MINHA MOTO-ENXADA


De todos os equipamentos domésticos que utilizo há um que é o meu preferido porque, além de produzir um trabalho muito útil, faz com que quebre uma certa rotina entediante, pois o seu uso é sempre ao ar livre e em contacto com a natureza. Trata-se de uma moto-enxada com reboque que utilizo para fresagens de terrenos agrícolas, para fazer sementeiras e para transporte de lenhas e dos mais diversos produtos.

Esta máquina é de fabrico italiano de marca “Pasbo”; o seu motor é um “Lombardini” de 10 cv., monocilíndrico e de funcionamento a diesel; tem três velocidades para a frente e uma para trás, refrigeração a ar e lubrificação por bomba de engrenagens. O arranque é manual, sendo um pouco difícil de efectuar com tempo frio, mas com a vantagem de não necessitar de baterias.


Esta máquina, quando desatrelada permite a utilização de algumas alfaias como charruas, fresas ou utensílios para abrir regos. Para a montagem das fresas é necessário desmontar as rodas, pois esses acessórios são aplicados no lugar destas. Esta é a maior diferença em relação aos moto-cultivadores, pois nestes a fresa trabalha atrelada à máquina, sendo mais fácil a sua aplicação, o que no entanto não permite uma fresagem tão profunda como a que é efectuada pelas moto-enxadas.

A rotação do eixo faz com que a máquina se movimente, sendo manobrada de forma apeada e de modo a que as lâminas das fresas penetrem no solo até à profundidade máxima de 20cm., existindo para isso uma peça que trabalha atrás das fresas e se faz penetrar na terra em maior ou menor profundidade, que actua como travão de arrasto, fazendo com que as lâminas revolvam o solo quando a velocidade de rotação do eixo é superior ao andamento da máquina, o que produz uma espécie de “patinagem” das fresas.

Também utilizo uma peça para abrir regos na terra, que é montada em substituição do travão de arrasto tendo, neste caso, a máquina de funcionar com as rodas. A utilização deste acessório facilita muito o trabalho, pois os produtos a semear são colocados nos regos e depois cobertos com terra, evitando a dura tarefa de ter que os abrir com uma enxada.


Deste equipamento faz parte um reboque que, quando atrelado, permite fazer o transporte de toda a qualidade de produtos, sendo de extrema utilidade, quando me encontro a efectuar trabalhos de construção civil, tendo sido imprescindível na construção da minha chácara, pois todos os materiais que lá utilizei foram nele transportados. Esta máquina quando tem o reboque atrelado pode funcionar com tracção às quatro rodas, permitindo que possa circular em terrenos difíceis, com ou sem carga e ainda efectuar subidas muito íngremes, mesmo carregada, pois a 1ª. velocidade é muito reduzida o que, quando engrenada, produz um andamento muito lento mas que permite grandes esforços. Este reboque tem um volante e travões acoplados sendo, apesar do seu andamento lento, necessária muita atenção quando conduzida em caminhos em mau estado devido à pouca largura do seu rodado dianteiro, o que faz com que se possa virar com alguma facilidade. Isso já aconteceu comigo por duas vezes, felizmente sem consequências, pois apenas capotou a máquina, tendo ficado sentado no reboque sem problemas.

Para conseguir uma maior estabilidade da máquina troquei as jantes e os pneus da mesma pelas rodas de um automóvel Renault 9 que mandei para a sucata. Este automóvel tinha as jantes e os pneus em óptimas condições e, como de qualquer maneira precisava de substituir os pneus da moto-enxada, tive a ideia de lhe aplicar as rodas do carro, o que se veio a revelar um sucesso. Para conseguir uma maior largura do rodado dianteiro coloquei as jantes viradas ao contrário, ou seja, a parte interior das jantes voltadas para fora, o que permitiu um ganho superior a 20 cm. na largura do rodado. Apenas tive de fazer uma pequena modificação na furação das jantes, tendo sido necessário limar um pouco alguns furos, nada mais.

Neste pequeno vídeo pode ver a máquina em funcionamento

Com esta alteração a máquina ganhou estabilidade, tendo até a vantagem de em piso regular rodar com maior suavidade, tendo apenas o inconveniente de, em caminhos lamacentos, ser maior a probabilidade de poder patinar, ou resvalar.

A manutenção desta máquina como mudanças de óleo, filtros de óleo e de combustível e lubrificações é efectuada por mim, tendo também já aqui feito algumas intervenções mecânicas de maior envergadura como substituição de vedantes de óleo no cárter e desmontagem de alguns componentes para limpeza e lubrificação.

Esta máquina pode circular na via pública, estando isenta de qualquer imposto, podendo ser conduzida sem carta de condução, o que aliado ao seu baixo consumo de combustível, faz com que seja um veículo muito económico e muito útil para pequenos trabalhos agrícolas e de transporte.

No próximo sábado, se o tempo o permitir, conto fazer a fresagem de um terreno para semear batatas e realizar um pequeno vídeo com a máquina a trabalhar, que aqui publicarei.

Comentários

  1. Amigo José!
    Por acaso descobri o seu blog e gostei.
    Fui criado na primeira infãncia no campo.Gosto do campo da Natureza e da simplicidade.Sou um cicloturista mas tb gosto de BTT e poesia.
    Um abraço desde o Algarve.

    ResponderExcluir
  2. Caro amigo.
    Ao tentar encontrar informação que me ajude a familiarizar-me com uma motoenxada Pasbo 14 cv diesel que há pouco tempo comprei, em 2.ª mão, encontrei o seu cantinho onde, de uma maneira simples e sem complexos, conta o seu retorno ás origens e a relação com a sua "máquina", também
    ela Pasbo de nascimento.
    O que mais me chamou a atenção foram as fotos e vídeos onde aparece um atrelado, utensílio que pretendo adquirir ou construir (mais esta hipótese que a outra). A única dificuldade que antevejo é conceber a parte que liga a lança do dito, á caixa de velocidades.
    Se quisesse ter a bondade de me facultar um certo copianço, endereçando-me fotos de pormenor para o meu mail, ou colocando-as neste seu "canto", ficava-lhe grato.
    Eu sei que há muitos por aí á venda, mas, alguns necessitam de modificações, outros têm preços inflacionados, etc.... e também acontece que gosto de fazer por mim. É sempre um desafio!!!
    Antecipadamente grato, votos de boa agricultura e paciência para "empobrecer alegremente" (leia-se: fazer agricultura).
    Um abraço daqui, desde o CALCANHAR DO MUNDO (sul
    da Beira Baixa)

    ResponderExcluir
  3. Amigo Jorge:
    Agradeço a sua visita ao meu blogue e a participação no mesmo.
    Irei providenciar as fotos que pede que enviarei para o seu Email brevemente. Não sei se a sua máquina tem o mesmo sistema de ligação do atrelado, pois a minha é de apenas 10 cv. Mas logo verá.
    Um abraço.
    José Alexandre

    ResponderExcluir
  4. Amigo Jorge:
    Ainda em relação às fotografias, peço que me transmita o seu endereço de Email, o que ode fazer enviando uma mensagem para joalexhenry@sapo.pt

    ResponderExcluir

Postar um comentário