CHUVAS DE SETEMBRO


Chegou o mês de Setembro e com ele vieram as primeiras chuvas. O depósito que instalei no início de Julho para aproveitamento de águas pluviais encheu completamente, assim como um tanque que recebe as águas excedentes do depósito. Esta água vai ser aproveitada principalmente para lavagens de pisos, uma vez que não tem ligação à canalização. Ainda tentei pôr a máquina de lavar roupa em funcionamento com esta água, mas infelizmente não resultou, devido à pouca pressão da água na entrada da máquina, o que impede a abertura da válvula electrónica da mesma. Foi uma pena, pois se tivesse resultado poderia poupar cerca de 2000 litros por mês de água da rede, uma vez que na falta de chuva tenho possibilidades de encher o depósito com água de um poço.

Mas, entretanto, como a crise obriga a soltar a imaginação, tive outra ideia para poupar água e resolvi reaproveitar a da rede que sai da máquina de lavar e que, normalmente, segue o caminho dos esgotos. Assim, essa água está agora canalizada, não para os esgotos, mas para um bidão de onde sai para fazer a lavagem diária de um canil onde tenho dois cães e também lavagem de terraços e até de tapetes ou mesmo calçado de trabalho. E para isso é óptima essa água, pois já tem detergente e tudo! Depois é só passar com água limpa vinda do depósito pluvial…

Quando o bidão recebeu a primeira água de uma lavagem da máquina, fiquei algo surpreendido, pois em cada ciclo de lavagem a máquina utiliza mais de 50 litros de água, água essa que pode perfeitamente ser aproveitada para os usos de que falei.

Na minha chácara tenho em funcionamento um outro sistema de aproveitamento de águas da chuva, com depósitos com capacidade para armazenar cerca de 19.000 litros; água que neste caso é utilizada exclusivamente para regas, tendo sido com a água que armazenei durante o inverno e primavera que durante o verão reguei as árvores de fruto e algumas plantas que por lá tenho.

Na falta de dinheiro para investir noutras formas de exploração do precioso líquido, há que aproveitar o que a natureza vai oferecendo de forma gratuita, nesta altura em que as dificuldades económicas neste país (Portugal) estão a atingir limites incomportáveis para as pessoas de menores recursos, agravadas com os aumentos escandalosos de impostos e taxas sobre bens essências como a água, electricidade e gás.

As primeiras chuvas de Setembro são também, para muita gente, o sinal para lançar à terra sementes de nabo. Embora também se possam semear durante a primavera e verão, é no final de Agosto e em Setembro, quando surgem as primeiras chuvadas, que muitos aproveitam para fazer essas sementeiras. Assim, as sementes germinam melhor e mais rapidamente e, caso volte a chover a curto prazo, talvez já não necessitem de serem regadas e os nabos nascidos e criados só com água da chuva são de melhor qualidade do que se forem regados de outra forma.

O nabo gosta de chuva e, talvez por isso, é costume quando está a chover nesta altura do ano, ouvirem-se frases como esta: “está bom pró nabo” ou: “está bom para semear nabos”. Há também o conhecido ditado popular que diz: “sol na eira e chuva no nabal” e que sendo muitas vezes pronunciado como desejo ou como crítica de se quererem duas ou mais coisas boas em simultâneo, indica também que a chuva é boa para o nabal assim como o sol o é para a eira, mas é impossível ter as duas em simultâneo.

Preparando a terra
Foi assim, obedecendo a estas vozes populares que no passado fim-de-semana fui fazer a minha sementeira de nabos. Devo dizer que, normalmente, faço isso com o menor esforço possível aproveitando a terra de onde tirei as batatas, pois já se encontra mexida e sem ervas ruins que entretanto secaram com o sol de verão. Assim, basta escavar um pouco o terreno com um ancinho e depois espalhar as sementes à mão, com algum cuidado para que não fiquem muito vastas. De seguida revolve-se um pouco mais a terra de forma a que as sementes fiquem cobertas com uma pequenina camada de um ou dois cm e, depois, é só esperar que brotem da terra e cresçam para mais tarde fazer algum desbaste, se necessário.

Espalhando as sementes
Este ano semeei quatro qualidades de nabos; duas de nabos greleiros e outras duas de nabos de cabeça. As cabeças de nabo são um óptimo alimento e podem substituir as batatas em alguns pratos. Cozidas, acompanham muito bem os pratos de bacalhau ou peixe e devido ao seu baixo teor calórico, poderão ter vantagem, para quem se preocupa com a sua linha, sobre as batatas, pois estas sendo mais ricas em calorias, serão também mais inimigas do físico. O problema é que muita gente não gosta do sabor das cabeças de nabo, mas isso é apenas uma questão de habituação.

Quanto aos grelos, são utilizados na confecção de muitos pratos acompanhando também refeições de peixe cozido, mas do que eu gosto mais é de esparregado feito de grelos de nabo. É óptimo!

Os nabos são daqueles produtos da terra que pouco trabalho dão e isso é também uma grande vantagem. Ao contrário do que acontece com outros produtos, como as batatas, que dão imenso que fazer, com regas, sachas, tratamentos, etc., os nabos, com um pouco de sorte, é só espalhar a semente, estrumar um pouco a terra, se possível, e esperar dois ou três meses até se começar a colher.   

Artigos relacionados:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários :

  1. ola, eu outra vez , adoro fazer as coisas eu mesma, mediante as dificuldades financeiras tenho que me virar nos trinta,você fez uma canalização de água da chuva gostaria de saber mais sobre como você fez, aqui na minha chácara vejo que desperdiça muita água ,e eu poderia rever isso. obrigado Ines ou Roberto meu marido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Obrigado pela visita e pelo comentário.
      Eu faço aproveitamento de águas da chuva em casa e também na minha chácara, que é um pequeno terreno agrícola que não tem poço nem furo e por isso a água para regas provém de um tanque que armazena a agua que escorre doas telhados de alguns barracões.
      São formas muito fáceis e simples de aproveitar a água das chuva e sobre o sistema que tenho em casa ele está descrito no post "Aproveitar a água da chuva". Sobre as águas da chácara também já descrevi isso em vários posts sobre a "minha chácara", que poderá consultar fazendo uma pesquisa interna no blog.
      De qualquer maneira se tiver alguma dúvida específica que eu possa esclarecer não hesite em contatar-me. Terei todo o gosto em ajudar, se souber.

      Excluir