OS "IGNORANTES" DAS NOVAS OPORTUNIDADES


Estava a acabar de publicar o artigo anterior, quando me surgiu a ideia de tentar escrever um pouco sobre a ignorância.

Isto aconteceu porque o fundador da empresa metalúrgica do Tramagal tinha sido considerado pelos seus conterrâneos como um jovem de “fraca inteligência”. Esse preconceito veio a revelar-se ser inteiramente errado, bastando tomar conhecimento de um breve resumo da sua história de vida para se perceber isso de imediato.

Apesar desse exemplo ser já de um passado um pouco distante, existem percursos de vida mais recentes, ou mesmo atuais, parecidos com aquele. Pessoas que sem estudos ou apenas com a instrução primária, subiram a pulso na vida, aprenderam profissões de relevo e até, também, construíram empresas sólidas que deram trabalho a muita gente que dele necessitava.

E falo com conhecimento de causa, pois eu próprio fui trabalhador durante alguns anos, por conta de um desses empresários, que começou do nada e de quem até se dizia que em criança chegara a andar a pedir esmola. Pois criou uma empresa sólida, de média dimensão e que empregava algumas dezenas de operários.

Existiram e existem muitos casos idênticos e eu conheço pessoalmente mais alguns, mas o que eu queria realçar é que se todas estas pessoas que, mesmo sem estudar porque não tiveram oportunidade para isso, tiveram tanto sucesso na vida têm forçosamente de ser consideradas como pessoas de inteligência forte.

Quando me encontrava a frequentar os Processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC), conheci também muitas pessoas assim, com histórias de vida fantásticas, de inteligência forte, que estavam ali para obter o seu merecido certificado de competências, evidenciadas de forma muito clara, depois de longos anos de aprendizagens na Escola da Vida.

Alguns estava ali mesmo ao meu lado, no meu grupo, como um que era técnico de máquinas e atualmente é presidente de uma Junta de Freguesia, outro que era agente da PSP, ou ainda outro que era comandante de uma importante corporação de bombeiros… no meio de tanta competência eu era um dos elos mais fracos e sentia-me bem pequenino.

Todos fomos apelidados de ignorantes!!!...

Os conterrâneos do empresário do Tramagal criaram um preconceito de fraca inteligência em relação a uma pessoa sobre a qual ainda desconheciam as suas potencialidades. No caso das Novas Oportunidades tratou-se de uma acusação sem fundamento, por desconhecimento ou ignorância da realidade…

Neste caso, quem chamou ignorantes aos participantes das Novas Oportunidades, estava também a querer criar um preconceito ou então a acreditar num preconceito já existente, embora este fosse um caso de menor gravidade, uma vez que ignorância não significa necessariamente falta de inteligência ou inteligência fraca.

O artigo da Wikipédia sobre a ignorância diz o seguinte:

A ignorância se refere à falta de conhecimento, sabedoria e instrução sobre determinado tema, ou ainda à crença em elementos amplamente divulgados como falsos. Em situação em contrapartida o ignorante estabelece critérios que desclassifiquem o conselho alheio, em prol da sua falta de conhecimento, busca estabelecer idéias falsas sobre si mesmo e o mundo que o cerca de forma errônea, que desagrade aqueles que o cercam. Ignorância é não saber, ou ignorar conhecimento, omitir-se conhecer ou passar a conhecer, é negar a captação e aceitação do conhecimento científico provável e comprovado através de métodos científicos e lógicos.

Apesar deste artigo estar (na minha modesta opinião) escrito num português um pouco confuso e não querendo fazer “ping-pong” com o termo ignorância, ao ler o texto fiquei com a certeza de que ele assenta muito bem a pessoas que se julgam muito inteligentes, mas que têm uma visão errada da realidade ou que se recusam simplesmente a aceitá-la.

Isto vem também reforçar a ideia de que ignorância não significa falta de conhecimentos de uma forma geral, mas sim a sua ausência em relação a um determinado facto, estado, situação, etc.

Ora, sendo assim, quem é que não é ignorante? Nem os mais inteligentes sabem tudo, (para se saber tudo tinha que ser também adivinho) por isso também esses são ignorantes em relação aquilo de que não têm conhecimentos.

O termo ignorante, quando usado para adjetivar pessoas, pode criar sentimentos de repulsão ou baixar a autoestima dos visados menos prevenidos, mas não afetou, de certeza, a maioria daqueles que trabalharam para alcançar a justa certificação das suas competências obtidas de forma lenta mas bem interiorizada, durante muitos anos em meio de trabalho, ou como eu gosto de dizer, na “Escola da Vida”.

É evidente que o processos de RVCC podem, em alguns casos, ter sido mal conduzidos, pode ter existido algum facilitismo em relação aos mesmos ou até terem acontecido interpretações incorretas dos referenciais de competências. O referencial de competências-chave para o nível secundário era, na altura em que eu frequentei o processo, extremamente complexo e difícil de interpretar e em alguns casos os próprios formadores sentiam esse problema. Essa dificuldade em entender o que era realmente exigido pode, talvez, ter originado exigências de execução variáveis de Centro para Centro.

Isso não me parece que seja matéria suficiente para descredibilizar os processos, aliás, o mesmo pode acontecer no ensino dito normal, pois os métodos e as formas de ensino, assim como as condições para a sua execução estão em constante mudança, anunciadas em montes de legislação, que também não será muito fácil de compreender. O mais grave é, sem dúvida, a suspeita de possíveis fraudes que poderão ter acontecido, na maior parte traduzidas na entrega de trabalhos para apreciação, feitos total ou parcialmente por terceiros.

Claro que isto não pode diminuir ou mesmo beliscar, de forma alguma, o valor da certificação obtida pela maioria dos participantes nos processos de RVCC, alicerçada em conhecimentos claramente demonstrados. Se essas fraudes existiram, então que procurem e desmascarem os culpados, obrigando-os a carregar o fardo da acusação de ignorância, fardo bem pesado e cujo peso foi tão levianamente repartido por todos.
  
O facto de eu entender o RVCC, como um processo muito justo e válido de certificar pessoas com provas dadas de conhecimentos adquiridos durante os seus percursos pessoal e profissional, não significa que concorde em absoluto com a maneira como a certificação é levada a cabo, pois favorece desde logo aqueles que tenham maiores conhecimentos de informática e ligeireza na escrita. As profissões e o percurso de vida de outros podem não lhes ter permitido obter esses conhecimentos, o que não significando que tenham menores competências, pode originar maiores dificuldades para as demonstrar, uma vez que todo o trabalho que é levado a cabo para o sucesso da certificação assenta na elaboração do Dossier Pessoal e Portefólio Reflexivo de Aprendizagem, onde são expostos não só os conhecimentos adquiridos no passado, mas também durante a frequência dos processos, tendo sempre como pano de fundo as pesquisas na Internet, pois sem esse recurso seria impossível ter êxito nesse trabalho.

Mas, bem lá no fundo e, não querendo parecer polémico, acho que tantas exigências e dificuldades aparentes acabam por se resumir a muito pouco e depois daquela linguagem dos referencias ser “traduzida” e de se entrar na realidade, fica-se com alguma sensação de facilidade, ou até de deceção.
  
Artigos relacionados:
Outros artigos relacionados estão listados em Processos RVCC


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário :

Postar um comentário