ESCRITOS DISPERSOS DE BELISÁRIO PIMENTA



Decorreu ontem no Auditório da Câmara Municipal de Miranda do Corvo a apresentação do livro “Escritos Dispersos”, de Belisário Pimenta….

“… O mirandense não sabe, em regra, a sua história e quando às vezes surge a necessidade dumas notas em jornal ou número comemorativo, lá vêm, como quase sempre, a reedição de lendas e erros acumulados de outros tempos, sem preocupações de deslindar o bom do mau. E Miranda do Corvo tem oito séculos de vida municipal ininterrupta, tem o seu lugar no desenvolvimento do reino e na história geral da nação e se não há salientes sucessos para contar, nem por isso a história se deve deixar de fazer com seriedade…”.

Estas palavras são de Belisário Pimenta, o historiador que dedicou muito do seu tempo a fazer pesquisas sobre a história de Miranda do Corvo. Entre livros publicados na época, artigos dispersos publicados em vários jornais e ainda os  escritos nos seus diários, contam-se por milhares as páginas que Belisário escreveu sobre Miranda do Corvo e a sua história.

Belisário Pimenta nasceu em Coimbra, mas nutria especial carinho por Miranda, de onde eram natural os seus avós maternos e esse afeto é evidenciado na dedicatória que escreveu num dos seus livros: “à memória dos meus avós do ramo mirandense que labutaram nas terras férteis do valer do Dueça com a enxada e o arado ou modelaram com amor e ingenuidade os lindos barros vermelhos, que Coimbra, por ser doutora, teima em chamar seus”.

Ana Maria Pimenta, neta de Belisário, no uso da palavra.
“Escritos Dispersos” é um livro que reúne os textos que Belisário publicou nos jornais Diário de Coimbra, entre Julho de 1949 e Março de 1951 e no “Alma Nova”, entre Maio de 1923 e Maio de 1925, compilados por Carlos Ferreira. O jornal “Alma Nova” foi um jornal que se publicou na Lousã entre abril de 1922 e março de 1939 e era um jornal que se assumia como republicano e defensor dos interesses da região, uma característica que era também comum ao “Diário de Coimbra” da época.

Este livro é apenas um primeiro trabalho de organização e publicação de textos de Belisário Pimenta sobre o concelho, já que a Câmara Municipal propõe-se levar a cabo outros trabalhos de recolha de escritos de Belisário sobre Miranda do Corvo, estando já anunciada a recolha dos textos publicados no jornal “Povo da Lousã”, este um jornal de cariz nacionalista que também foi publicado na Lousã, no período de 1 de Dezembro de 1932 e 30 de Abril de 1974.


O lançamento deste livro, com o qual se pretende também homenagear Belisário Pimenta, é apenas a primeira de várias iniciativas incluídas no programa “Jornadas do Património” – Miranda História e Memória, que a Câmara Municipal de Miranda do Corvo vai levar a cabo até Junho do próximo ano, com a finalidade de preservar e divulgar a história local. A reunião e publicação dos escritos dispersos de Belisário Pimenta nasceu de uma ideia do senhor Jorge Alberto Pinto dos Santos, um admirador da obra de Belisário Pimenta, que foi bem acolhida pelas autoridades municipais, tendo assim nascido este livro que nos transporta numa viagem ao passado, a uma história porventura ainda incógnita para  muitos mirandenses e que urge, por isso, conhecer.    


Comentários

  1. Caro Amigo José Henriques as mais de duas centenas de Crónicas Históricas "esquecidas" nos antigos Jornais "O Povo da Lousã" também foram recolhidas à cinco anos e estão nas mãos das Pessoas que fizeram este Livro. Vamos aguardar com esperança, pois elas são outra parte muito importante dos Escritos de Belisário Pimenta, sobre o Concelho de Miranda do Corvo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário