Ferramentas elétricas - o berbequim

Barbequim manual
De todas as ferramentas eléctricas que existem atualmente, o berbequim ou furadeira é uma das mais populares e úteis para a efetivação de imensos trabalhos na área de construção, de bricolage, de manutenção em casa e muitos, muitos outros…

As origens do berbequim remontam ao trado de arco de rabeca do homem pré-histórico, ao arco de pua e broca do carpinteiro do século XV e à broca helicoidal da década de 1860. Em 1889, o engenheiro australiano Arthur James Arnot registou a patente do que seria a primeira ferramenta de furar elétrica. Seis anos depois, em 1895, foi a vez dos irmãos Wilhelm Fein e Carl Fein, apresentarem em Estugarda – Alemanha – a sua invenção: um berbequim eletrico portátil.

Em 1917, a Black & Decker registou na América a patente de um interruptor de gatilho para ligar e desligar, montado no punho, e passou a utilizar um motor “universal” que funcionava quer com corrente contínua quer com alterna. O motor transmitia o movimento através de uma ou mais engrenagens de redução de velocidade à broca montada na bucha. Uma ventoinha acoplada ao veio do rotor produzia um arrefecimento forçado do motor.

Berbequim elétrico
Hoje em dia os berbequins apresentam um punho semelhante ao de uma pistola e, frequentemente, dispõem de um interruptor equipado com um dispositivo que faz variar a corrente elétrica transmitida ao motor de acordo com a pressão sobre ele exercida. Deste modo, a velocidade de rotações pode variar desde cerca de 10 até 1000 rpm.

A importância do berbequim ou furadeira é tal que hoje quase ninguém dispensa uma dessas ferramentas em casa, seja simplesmente para fazer de vez em quando uns furos na parede para pendurar um quadro, ou para trabalhos mais criativos que envolvam a necessidade de fazer furos para aplicação de parafusos etc.

Eu tenho quatro berbequins, dois dos quais já não funcionam devido ao uso que lhes dei, pois acabaram completamente desgastados. O primeiro que adquiri era um Black & Decker e era uma ferramenta muito versátil, que dava para acoplar vários acessórios como uma serra circular, lixadeira vibratória, disco de borracha para aplicação de lixas, disco de escova de aço, suporte horizontal fixo para trabalhar como esmerilador e outros utensílios como uma boina de lã que era encaixada no disco de borracha e servia para polir o automóvel.

De todos estes acessórios, o que mais utilizava, para além da função de furar do berbequim, era o disco de lixa, pois com ele conseguia fazer lixagens em madeira com alguma eficiência. Também utilizava a serra circular, mas apenas para cortar tábuas com até 0,025m de espessura, pois a ferramenta não permitia tábuas mais grossas e também as rotações do berbequim não eram tão elevadas que permitissem um corte muito rápido. Servia apenas para trabalhos de pequena dimensão.

Não sei se a Black & Decker ou outra marca qualquer ainda produz desses berbequins e respetivos acessórios, creio que não, pois numa pesquisa que fiz nos sites de algumas marcas não encontrei nada disso, no entanto, quando adquiri aquela ferramenta, no início dos anos 80 do século passado, ela estava bastante na moda. O berbequim, na sua função principal de furar, era quase como os berbequins atuais, apenas tinha a mais uns frisos no corpo que serviam para encaixe da serra circular e de outros acessórios. Para o funcionamento da serra, do disco de lixa e dos outros acessórios era retirada a bucha do berbequim e em seu lugar eram enroscadas as diferentes peças. Excetuando o berbequim, que tinha duas velocidades fixas e sistema de percussão para furos em betão ou concreto, o restante material só servia para uma utilização amadora e mesmo assim apenas para executar trabalhos muito ligeiros.


Lixadeira vibratória
Lixadeira vibratória que era movimentada pelo berbequim. A peça do interior era
 enroscada no berbequim e a sua configuração provocava as vibrações na lixadeira. 

Discos para aplicação em berbequim
Disco de escova de aço e disco de borracha.
Estes são os únicos acessórios que ainda mantenho. Os restantes, incluindo
o berbequim, estavam avariados e  foram para  reciclagem há muito tempo.

Hoje, todas essas ferramentas são produzidas para funcionamento individual e, como se compreende, a potência necessária, velocidade de rotação etc. para cada uma delas é naturalmente diferente e com uma máquina concebida propositadamente para um trabalho específico, obtém-se melhor rendimento. De qualquer maneira uma furadeira com todas aquelas funções, ainda que limitadas em eficiência, não deixava de ser uma máquina interessante devido à sua portabilidade e polivalência.

Os berbequins que adquiri posteriormente já só servem apenas para a sua função de furar, têm sistema de rotação variável, para utilizar de acordo com os furos a realizar e percussão para furos em paredes.

Um desses berbequins funciona a bateria, ou melhor funcionava, porque as baterias já há muito que “foram à vida”. É um pequeno aparelho que devia ser utilizado só para aparafusar e furar em materiais não muito duros, mas eu cheguei inclusivamente a tentar fazer furos em betão com ele, o que originava que as baterias se esgotassem muito rapidamente e, após uma dúzia de cargas elas deixaram simplesmente de armazenar energia, pelo que desisti simplesmente de utilizar este aparelho.

Pela experiencia que tenho de trabalho com berbequins e se me é permitido vou dar alguns conselhos a utilizadores mais novos. São pequenas coisas que todos os que utilizam essas ferramentas conhecem e quem ainda não conhece depressa se irá inteirar delas, quando começar a trabalhar com um berbequim. De qualquer maneira poderá ser uma ajuda inicial. Assim espero…

Brocas
Brocas diversas para diferentes
trabalhos.
Devem utilizar-se sempre brocas indicadas para o trabalho a efetuar e usar-se sempre peças de boa qualidade e em bom estado, pois tentar fazer furos com brocas rombas ou queimadas, para além do tempo perdido é preciso ter em atenção que se está a exigir um demasiado e desnecessário esforço ao berbequim que, evidentemente, pode destruir a máquina devido ao sobreaquecimento e, para além disso, se está a consumir energia desnecessariamente. Por tudo isso compensa utilizar sempre brocas em bom estado.

Outra coisa importante é não deixar aquecer demasiado as brocas e quando se está a furar, sobretudo em ferro, é conveniente ir molhando a broca em água ou, melhor ainda, em óleo, para evitar o destempero da ferramenta. As rotações não devem ser muito elevadas, nem se deve empregar demasiada força no berbequim. Nota-se que uma broca está a atuar bem sobre o ferro quando começam a soltar-se pequenas lascas do círculo que está a ser aberto.

Na furação em paredes, com brocas próprias para esse fim, o berbequim deve estar na posição de martelo e deve-se tentar saber se no local passam tubos de água, gás ou outros e também fios de eletricidade, para evitar qualquer acidente.  Por vezes, quando se está a furar em betão ou concreto, a broca atinge o ferro das armações, pelo que não adianta forçar a ferramenta para continuar a furar, uma vez que isso é impossível e só se irá dar cabo da broca. Nestes casos o melhor é desviar o furo, caso isso seja possível, se não teremos de nos contentar com o furo tal como está ou estudar outra solução. O diâmetro do furo deve ser compatível com a bucha; esta deve entrar à justa no buraco para que os parafusos apertem com segurança.

Hoje em dia adquirem-se berbequins a preços muito acessíveis (o último que adquiri custou 15 euros) e que servem perfeitamente para uso doméstico, especialmente quando a sua utilização é apenas para fazer alguns furos, ocasionalmente, mas se pretendermos um aparelho de marca como seja a Black & Decker, aí o caso muda de figura e é preciso desembolsar bastante mais. Ainda me lembro do preço que paguei pelo berbequim dessa marca que adquiri em 1980: seis mil e quinhentos escudos, o que corresponderia hoje, em euros, a 32,50. Não parece muito, atendendo à grande quantidade de acessórios que incluía e aos variados trabalhos que podia executar, mas naquela altura seis mil e quinhentos escudos era mesmo muito dinheiro.

De resto a Black & Decker foi durante muito tempo a marca rainha dos berbequins, não sei se ainda hoje o é, mas os berbequins, de uma forma geral, eram conhecidos em linguagem popular pelo nome da marca – costumava designar-se um berbequim, fosse qual fosse a marca – por um “blécandeca”. Utilizavam-se expressões como: “comprei um blécandeca”, ou “vou fazer um furo com um blécandeca”.

A história da Black & Decker remonta ao outono de 1910, quando Duncan Black e Alonzo Decker investem 1.200 dólares no sonho de construir máquinas especializadas e fundam a Black & Decker® Manufacturing Company em Carvert Street, Baltimore. O sucesso alcançado foi muito além do que poderiam imaginar…

Na sua longa história de sucesso, os berbequins estão sempre presentes e mesmo com a Black & Decker® a assumir-se como a maior fabricante mundial de ferramentas eléctricas e acessórios, o que inclui a produção de muitos outros tipos de máquinas e ferramentas, o velhinho berbequim ou furadeira, ficou para sempre ligado à empresa, como uma imagem de marca, que permaneceu interiorizada em várias gerações de utilizadores.

Muitas das grandes inovações da empresa têm o berbequim como figura central, uma ferramenta cuja utilização ultrapassou as fronteiras do nosso planeta, como se percebe na história da marca:

1917 - É patenteado o berbequim eléctrico com punho tipo pistola e interruptor de gatilho. É também construída a primeira fábrica da Black & Decker® em Towson, então subúrbios de Baltimore, EUA, um edifício de madeira com apenas 1.300 metros quadrados.

1923 - Durante os anos 20 são desenvolvidas muitas outras ferramentas eléctricas com base no punho tipo pistola e no interruptor de gatilho, incluindo o primeiro berbequim totalmente equipado com chumaceira, em 1923.

1946 - É lançada a Home Utility Line. É, em todo o mundo, a primeira gama de berbequins e acessórios a preços acessíveis aos amantes do “Faça Você Mesmo”.

1950 – É atingido o número de 1 milhão de berbequins produzidos para amadores.

1964 - A Black & Decker® inicia a sua colaboração com a NASA, construindo a ferramenta espacial "Punho Motriz de Binário Mínimo" para ser usado em condições sem gravidade pelos astronautas do Projecto Gemini.

1961 - 1962 - A Black & Decker® introduz o primeiro berbequim sem fio, uma inovação mundial com baterias de nickel-cadmium incorporadas. Um corta sebes sem fio e mais quatro modelos de berbequim sem fio para uso profissional foram lançados em 1962.

1968 - O berbequim lunar (LSD) a baterias desenhado para remover amostras do solo na lua é entregue à NASA.

1971 - O berbequim Lunar (LSD) é usado com sucesso na missão Apollo 15 e mais tarde também nas missões Apollo 16 e 17.

Esta é apenas uma pequenina parte da história de sucesso da Black & Decker, uma empresa que começou praticamente do nada, tal como acontece como outras grandes marcas de nível mundial.



Comentários