O REBUSCO DA AZEITONA

Ontem, fui à minha chácara colher azeitonas para retalhar e curtir em água. Este ano dá gosto ver as oliveiras carregadas de frutos sãos e brilhantes. Já há alguns anos que as não via assim tão bonitas aqui por estas bandas. Infelizmente muita da azeitona não vai ser aproveitada, pois devido aos elevados custos que comporta a sua colheita, aliada à dificuldade em encontrar lagares a funcionar na zona, muitos proprietários de oliveiras optam pelo seu não aproveitamento. A azeitona, que há alguns anos atrás era uma mais-valia para os pequenos agricultores, que nesta altura contratavam trabalhadores para a apanha, agora não dá para o trabalho. Durante a safra os campos enchiam-se de animação, ouviam-se cantigas, risos…


Enquanto ia colhendo os pequenos frutos brilhantes, vieram-me à mente recordações da minha infância, de tempos difíceis, quando eu e os outros meninos pobres da aldeia, munidos de um balde ou de uma lata, procedíamos ao rebusco da azeitona nos olivais. Depois de concluída a colheita ficavam sempre alguns frutos escondidos pelas ervas, que nós íamos procurar, pois a azeitona naquele tempo tinha valor e assim conseguíamos arranjar alguns tostões. Mas era um trabalho duro e pouco produtivo, agravado pelos dias frios do fim do Outono e do Inverno.

Rebusco o pequeno fruto meio apodrecido,
No meio das ervas daninhas.
A sua seiva vai escorrendo,
Por entre os dedos gelados,
Destas mão tão pequeninas.

O balde nunca mais enche?
Quando é que regresso a casa?
Ainda não apanhei meio alqueire,
Nem sequer uma quarta rasa!

Vou para casa, tenho frio,
São horas de regressar.
Amanhã apanho mais,
Tenho de encher um alqueire,
Para depois o trocar.

Comentários