MINIATURAS DE NAVIOS EM MADEIRA

A minha nau em madeira de pinho.

Há vinte anos atrás, um colega de trabalho contou-me que andava a construir um navio com fósforos. Parecia entusiasmado com o que andava a fazer e passados alguns dias, trouxe o barco já pronto para mostrar a todos os companheiros de trabalho. Estava realmente uma obra bonita e eu que sempre gostei de navios e do mar entusiasmei-me e, logo ali, decidi aventurar-me também na “construção naval”.

Não percebia nada do assunto e os primeiros navios saíram um bocado toscos, mas com a prática acho que me fui aperfeiçoando, no entanto fui trabalhando sempre um pouco ao sabor do acaso e da inspiração do momento, motivo pelo qual os meus navios não seguiram nenhum modelo em concreto, não respeitando escalas, mas no fundo o que eu queria mesmo era construir imitações daquelas antigas naus com que eu tanto sonhava na juventude.

A ré da nau.
O navio que aqui apresento foi o penúltimo que construí; já falei do último e esta será, segundo a minha opinião, uma ordem decrescente de qualidade. Penso que poderia aperfeiçoar-me mais se continuasse com estes trabalhos, mas entretanto optei por fazer outras coisas, tentando estender a aprendizagem a outras áreas.

Neste navio optei por moldar o casco de uma peça de madeira de pinho maciço, tendo daí para cima utilizado a técnica que já descrevi em “Construção de Miniaturas de Navios”; isto é colando pequenas peças de madeira para formar as paredes exteriores, só que aqui essas pequenas peças foram talhadas de tábuas de pinho, com o tamanho idêntico ao das peças de parquet, apenas um pouco mais grossas. Devo dizer que, como é do conhecimento geral, a madeira de pinheiro não é, em termos de durabilidade, comparável a outras madeiras como o castanho ou o mogno e esse poderá ser um ponto fraco desta miniatura, uma vez que, como é evidente, depois de tanto trabalho é natural que queiramos que a obra fique para a posteridade.

A nau no "estaleiro".

Digamos que nesta obra tentei imitar uma nau de três mastros, daquelas onde os nossos antepassados partiram à descoberta de novas terras, que eram autênticas obras-primas de carpintaria e hoje são um regalo para a vista em pequenas réplicas expostas em museus ou pintadas em quadros de grande beleza.



Comentários