UMA CARTA E UM POSTAL






Postal dos Correios e Cartas de Amor são duas canções bem conhecidas, e de sucesso, que podem servir de exemplo para quem quiser escrever uma carta pessoal, familiar, ou uma carta de amor, bastando para isso fazer a pontuação devida. No caso do Postal dos Correios, a letra adapta-se perfeitamente a uma carta pessoal, pois a canção é ela mesmo um postal (ou uma carta) lida de forma cantada. Na letra desta canção, alterando apenas a pontuação, é possível formatar a carta com destinatário, introdução, desenvolvimento, conclusão, fórmula de despedida e até com um Post Scriptum, como o exemplo que segue:

                                                        Local e data
                                   Coimbra, 26 de Agosto de 2012

           Destinatário  (fórmula de tratamento)
          Querida mãe, querido pai:

Introdução
          Então que tal? Nós andamos do jeito que Deus quer. Entre os dias que passam menos mal, lá vem um que nos dá mais que fazer.

Corpo da carta (parágrafos de desenvolvimento)
          Mas falemos de coisas bem melhores: a Laurinda faz vestidos por medida, o rapaz estuda nos computadores (dizem que é um emprego com saída!)
          Cá chegou direitinha a encomenda pelo expresso que parou na Piedade – pão de trigo e linguiça para a merenda! Sempre dá para enganar a saudade…
          Espero que não demorem a mandar novidades na volta do correio. A ribeira corre bem ou vai secar? Como estão as oliveiras de candeio?
         
Conclusão
Já não tenho mais assunto para escrever. Cumprimentos ao nosso pessoal.
        
                 Fórmula de despedida
           Um abraço deste que tanto vos quer.

Assinaturas
José...

Post scriptum (que pode existir ou não)
P.S.
Sou capaz de ir aí pelo Natal…

Quanto a Cartas de Amor, uma canção celebrizada pelo saudoso Tony de Matos, pode ser uma linda carta dirigida a um amor não correspondido, bastando para isso acrescentar um destinatário.


Comentários

  1. São Paulo, 26/Agosto/2012.

    Olá meu querido amigo!

    Muito interessante essa sua publicação, pois quando comecei a ler , a primeira coisa que me veio a cabeça foi aquele assunto que , por outra oportunidade passada, nós conversamos...

    voce esta lembrado sobre aquilo de as pessoas não conhecerem a letraescrita uns dos outros?
    Como antigamente trocavamos cartas ( via correio) o que foi substituído pela internet, tudo ficou mais simples e rápido porém, poucos já viram a tua letra escrita à mão... para e pensa, não é verdade?

    Sempre penso nisso e falo que tenho certa saudade do tempo em que escrevia cartas e, lembro que todas que eram aos amigos do exterior, às vezes, demorava muito a chegar... de 7 a 15 dias!
    Mas, de qualquer forma , era muito boa a sensação de expectativa quando chegava a carta resposta... corria abrir, era a maior expectativa do mundo!!

    Mas, falando de sua postagem, aposto com voce que tem gente( hoje em dia ) que não sabe escrever uma carta dessa forma , ou seja a forma a adequada com começo , meio e fim.

    Um beijinho meu amigo :)

    Cintia ( tin) Fumagalli

    *PS - Tenha uma ótima semana :D

    ResponderExcluir
  2. Coimbra, 28 de Agosto de 2012

    Querida amiga:
    Em resposta à sua “carta” venho responder agradecendo as amáveis palavras e desejando que esta minha missiva a vá encontrar de boa saúde que, por aqui, está tudo bem.

    Eu também tenho saudades do tempo em que se escreviam cartas utilizando escrita manual e quando uma boa caligrafia era motivo de valorização e orgulho pessoal.

    Ainda vou todos os dias à minha caixa de correio, com alguma ansiedade, para ver se chegou correspondência, mas agora as únicas cartas que chegam são faturas para pagar. Enfim… são sinais dos tempos!

    Despeço-me com um beijinho.
    José Alexandre

    P.S.: Estou ansioso para conhecer a sua letra escrita (caligrafia)

    ResponderExcluir

Postar um comentário