DEPÓSITOS SOLARES CASEIROS

A caraterística mais original do meu sistema solar caseiro é o facto dos depósitos, onde é armazenada a água quente, terem sido adaptados de duas arcas frigoríficas, cujo interior foi revestido com mosaicos cerâmicos, aquelas peças que são normalmente utilizadas para revestir paredes ou pavimentos. Já falei no blogue em “sistema solar térmico artesanal” e “sistema solar caseiro” das dificuldades encontradas para fazer o isolamento das arcas, de modo a impedir que vertessem e do recurso que utilizei servindo-me de peças cerâmicas que tinha guardadas, provenientes de sobras das obras de casa. Mas a verdade é que ainda não tinha apresentado nenhuma imagem do interior desses depósitos e este post tem essa finalidade principal.

Apesar da sua rusticidade arcaica este sistema tem funcionado muito bem, essencialmente durante os meses de Março a Outubro, em que praticamente não é necessário recorrer a outras formas de aquecimento de água. Tem também a vantagem de se poder limpar convenientemente o interior dos depósitos, o que é uma tarefa impossível nos depósitos convencionais.

Foi isso que fiz, há cerca de dois meses atrás, quando coloquei novamente o sistema em funcionamento, depois deste ter estado desativado durante o inverno para evitar que a congelação da água provocasse o rebentamento das tubagens dos painéis, tendo então tirado algumas fotografias.

O interior das arcas frigoríficas é revestido com uma fina folha de alumínio, mas esse material mesmo que impedisse fugas de água, não iria resistir è corrosão provocada pelo calcário e depressa seria destruído. Não consegui impermeabilizar o depósito e foi em desespero de causa que recorri ao material cerâmico, mas, por acaso, até foi uma boa opção, pois já lá vão seis anos e tem-se mantido sem que existissem novas fugas de água.

Para a colagem dos mosaicos às paredes de alumínio das arcas, a lógica pedia que fosse utilizada algum tipo de cola especial, mas eu não estive com grandes cerimónias e simplesmente apliquei os mosaicos “à pedreiro”, tal como estava habituado a fazer, utilizando simplesmente cimento-cola, o produto que normalmente é utilizado na colagem dos mosaicos ao chão ou paredes de cimento, tendo vedado as juntas com silicone do tipo que é utilizado na construção de aquários.

Os tempos de crise profunda que atravessamos não permitem grandes investimentos e o meu sistema solar original e rudimentar quanto baste, lá se vai mantendo e cumprindo a sua missão de ano para ano, superando as minhas próprias expetativas e previsão de durabilidade.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

2 comentários :

  1. Muitíssimo interessante meu caro amigo! Verdade que esses sistemas são caros e, muitas vezes fica difícil adquirir. Eu ainda não tenho nada igual, a sorte é que aqui onde moro, principalmente no verão, tomamos banho de água fria, o que ajuda porque o calor é intenso. Esse último verão praticamente inteiro não usamos energia elétrica para a água, não foi preciso. Porém, gostaria de ter algo assim para algumas ocasiões com tempo mais frio, ajudaria muito. Voce é muito habilidoso amigo José Alexandre, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cintia!
      Imagino que por aí os sistemas solares térmicos não sejam muito usuais, mas possivelmente estarão a utilizar painéis solares fotovoltaicos para produzir energia em grande escala, tal como também está a acontecer em Portugal, o pior é que, como diz em relação aos sistemas de água, tanto uns como outros são caros. Também imagino que não deve interessar muito aos governos que as pessoas produzam a sua própria energia, porque há que defender os interesses das grandes companhias de eletricidade...

      Excluir