FALSIFICAÇÕES NAS MOTOSSERRAS

Hoje em dia quem vive no campo, independentemente da sua atividade principal, tem necessidade de usar algumas ferramentas agrícolas motorizadas. Já lá vai o tempo em que se cavavam grandes áreas de terreno à enxada ou se cortava a lenha para o lume com uma serra manual. Neste último caso utilizam-se agora as motosserras, sendo essa uma ferramenta indispensável na maior parte das casas e que agora se vende a preços bem acessíveis, tendo em conta o trabalho que ela produz. No entanto, uma motosserra mais barata pode não ser um bom negócio para quem tenha de utilizar a máquina com maior frequência porque, como não pode deixar de ser, em todas as ferramentas a qualidade é paga, mas, claro que quem tenha necessidade de utilizar a máquina apenas para traçar uns paus para a lareira durante algumas horas durante um ano, talvez não tenha necessidade de fazer um investimento muito avultado, mas isso depende sempre da opinião e da bolsa de cada um.

Motossera com autocolantes indicando ser o modelo MS660 da Stihl. As
letras coladas no sabre começaram a desparecer após alguns minutos de uso.
Vem esta conversa a propósito de umas motosserras que andam por aí e que são adquiridas como sendo da marca Stihl, a avaliar pelos autocolantes que trazem e que podem induzir em erro as pessoas menos avisadas ou conhecedoras do assunto.

Recentemente, adquiri uma destas motosserras para a construção da minha cabana de troncos por um preço bastante acessível e suspeitei logo que a máquina não tinha nada a ver com a Stihl, pois mesmo não sendo grande conhecedor desses aparelhos, tudo nela aparentava alguma fragilidade que não parecia compatível com a fama da marca. O vendedor era um particular que, segundo disse, a tinha adquirido como sendo uma Stihl, mas que nunca a chegara a utilizar e que até tinha perdido o manual do aparelho.

Perante o baixo preço pedido pela ferramenta decidi-me a adquiri-la, mesmo com as fortes dúvidas que tinha sobre a sua originalidade e assim que tive oportunidade fui fazer algumas pesquisas, não sendo preciso procurar muito para verificar que se trata de uma falsificação, saltando logo à vista, no site da Stihl, o alerta sobre o assunto.

Mas, na Internet, nos sites de compra e venda, são mesmo alguns vendedores que alertam para essas falsificações e possivelmente agora já ninguém será enganado adquirindo gato por lebre, pois a notícia dessas falsificações já está muito espalhada e ninguém irá supor estar a comprar uma Stihl, modelo profissional, por uns escassos cinquenta ou sessenta euros.

A motosserra que eu comprei ostenta um autocolante com o nome da marca e indicando que se trata do modelo MS 660. Ora, este modelo original da Sthil é uma poderosa ferramenta desenvolvida para trabalhos profissionais intensos, com 91.6 cm3 de cilindrada, o que deita logo por terra qualquer hipótese desta se tratar duma dessas máquinas e a única semelhança que elas deverão ter é a sua cor de laranja.

Como não tenho manual do aparelho, nem sequer sei qual á a cilindrada do motor que deve ser bastante inferior aos 91.6 cm3 do modelo original e o pior é que se ele avariar, dependendo do tipo de maleita, o mais certo é não ser possível a sua reparação.

Quanto ao funcionamento desta máquina até agora, não posso dizer que o dinheiro que dei por ela foi mal empregue, pois o motor tem funcionado bem, apesar de ter tido algumas dificuldades para o fazer arrancar pela primeira vez. No entanto, para já, um importante componente do sistema teve de ser substituído o que indica a sua fraca qualidade. Trata-se da lâmina ou como é normal dizer-se: da corrente do motosserra. Este elemento da máquina parece ser de muito pouca qualidade para um aparelho que queria copiar um modelo profissional e resistente com é o modelo MS 660 da Stihl.

O desempenho da corrente foi anedótico. Estava sempre a alargar e tinha de a apertar com demasiada frequência. Tanto, que a dada altura já não havia possibilidade de mais ajustes e tive de lhe mandar retirar dois elos para poder continuar a usá-la. Depois disso continuou a alargar e a rosca de um dos parafusos de aperto do sabre acabou por se moer. A qualidade do corte também não era muita, para não dizer que era péssima e já estava a pensar em comprar uma corrente nova quando essa decisão teve de ser abreviada, pois a corrente partiu-se e saltou quando o motosserra estava a trabalhar ao ralenti. Para além do prejuízo não é de excluir um possível acidente que poderia acontecer perante tal facto.

A casa que preparou a corrente nova fez esta com os mesmos elos que tinha a velha, ou seja menos dois, do que esta tinha originalmente e o resultado é que quando fui para a aplicar esta não cabia na máquina. Mais um contratempo que foi solucionado com facilidade, mas fiquei a pensar que, se o resto do material com que a máquina foi fabricada for da mesma qualidade da corrente não vou ter motosserra para muito tempo para trabalhar.

Apesar de tudo, perante o baixo preço a que se consegue obter uma destas máquinas, se este for bem regateado, parece que não se pode dizer que não seja uma boa compra, se o serviço a que elas forem destinadas for apenas ocasional e pouco exigente.

Artigos relacionados


O porco adapta-se de tal modo à economia de quem vive em regime de autossuficiência que parece ter sido criado para esse fim. É sem dúvida um omnívoro, come praticamente de tudo, podendo comer e digerir erva. Um porco não se contenta só com erva, mas esta pode ser uma parte substancial da sua ementa. O porco vai, potencialmente, transformar em boa carne tudo o que você cultivar e produzir na sua horta, ou na sua quinta. 


CONSTRUIR UMA CASA DE TRONCOS
Sempre gostei daquelas casinhas de troncos que os colonos construíam nas florestas e pradarias do Oeste Americano. Sonhei fazer uma para mim, mas apenas consegui fazer uma pequena barraca para arrumações, que entretanto já ruiu porque, na verdade, foi muito mal concebida. Foi feita com os toros na vertical, apoiados na terra e...

                                            Ler mais...





Comentários

  1. Concordo contigo. Comprei uma motosserra da marca Toyama que me decepcionou com o corte sem precisão e a necessidade de estar sempre afinado a corrente, mas resolvi o problema trocando a corrente original por uma de melhor qualidade.

    ResponderExcluir
  2. Tenho uma dessas stihl, quanto deste por ela?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 70 euros, mas depois de a ter comprado tive conhecimento de pessoas que compraram a 40 euros.

      Excluir
  3. boa noite, adquiri uma motosserra do modelo stihl 381, nada sei sobre o produto, apenas sei que ela é falsaria pois a mesma não é reconhecida pela autorizada da stihl, vamos ou contra é os pro,

    o problema é que tive que aprender a fazer manutenção na maquina, eu mesmo faço manutenção na minha motosserra, pois já que ela é falsificada não tem autorizada que queira repara,

    O contra é, esta maquina esta fazendo o trabalho da original a qual ele foi replica, a original esta por volta de uns 2,800 reais, ela custou apenas 500 reais, então vai se fuder capitalismo do caralho, se a pirataria não presta-se não teria tanto cantor sendo lançado a cada ano,

    A guerra para provar se a pirataria faz bem ou mal para a indústria nunca acaba. Isso porque, de um lado, pesquisas que mostram que a pirataria de fato é de grande ajuda para espalhar um conteúdo para o público existem de sobra.
    Mas se a situação está cada vez melhor, por que vemos outros estudos dizendo que a pirataria está fazendo com que as indústrias de entretenimento tenham quedas tão absurdas?
    De acordo com uma feita recentemente pela Escola de Londres de Ciências Econômicas e Políticas, a culpa está no lobby feito por várias companhias cujos mercados estão perdendo espaço para outras mídias – aquelas que são mais ajudadas pela pirataria, como o Netflix e o SoundCloud.
    Um dos maiores exemplos disso está na indústria de música. Os números mostrados por eles provam que a indústria está, na verdade, se adaptando ao formato digital.

    ResponderExcluir

Postar um comentário