ONDE FICA A SERRA DE SICÓ?

Terras de Sicó, serra ou serras do Sicó, maciço de Sicó... são várias as designações que são atribuídas a uma região que abrange seis concelhos. Mas… onde fica exatamente Sicó? O site da Associação de Desenvolvimento “Terras de Sicó” tem a seguinte descrição sobre a localização e dimensões deste território:

Mapa das Terras de Sicó. 
«O território "Terras de Sicó" situa-se na Região Centro de Portugal, englobando a totalidade da área dos Municípios de Alvaiázere, Ansião, Condeixa-a-Nova, Penela, Pombal e Soure em torno do maciço da Serra de Sicó, somando um total aproximado de 1.500 km2.».

Cremos que existe alguma confusão quanto a saber o que é e onde fica exactamente a serra de Sicó. Geologicamente considera-se uma serra como sendo um conjunto de montes ou montanhas, mais ou menos agrupadas, enquanto que a designação de maciço será mais para um grupo compacto de montanhas. No caso desta serra de Sicó ela será um conjunto de vários montes e montanhas um tanto dispersas e algumas delas são conhecidas por outros nomes como serra de Alvaiázere, serra de Ansião, serra do Rabaçal, serra de Janeanes, ou Monte de Vez, entre outros.

No entanto, é uma elevação situada a poucos quilómetros a este de Pombal que é mais conhecida pelo nome de serra de Sicó. Pelo menos é a ideia com que fica quem, em pleno IC8, avista uma placa com essa indicação e vê a serra onde se destacam no cume várias antenas de radiodifusão. Infelizmente quase todos os sítios altos se encontram enfeitados com esse tipo de adorno e também agora com os geradores eólicos que apareceram como cogumelos nas nossas serras.


Placas indicando a direção da serra de Sicó.

Apesar da designação de serra de Sicó, atribuída a essa montanha que tem 553 metros de altitude, ela não é, contudo, a mais alta deste conjunto montanhoso. O ponto mais alto, com 618 metros, é na elevação conhecida como serra de Alvaiázere que fica na parte oriental do maciço e, como o nome indica, próximo da vila de Alvaiázere.

Apesar do solo calcário, no sopé da serra encontram-se vales férteis.
Seguindo a direção indicada pela placa que aponta para Sicó, segue-se durante mais de um quilómetro por piso asfaltado, até que surge uma nova placa apontando para um desvio em toutovenant.  Se ignorarmos esse desvio e continuarmos pelo asfalto, vamos  encontrar, a menos de um quilómetro, as instalações de uma pedreira. São várias as pedreiras que se encontram nas montanhas da serra de Sicó, o que não é para admirar dada a geologia do terreno, intensamente calcário.

Seguindo pela estrada de toutouvenat em breve a paisagem começa a alargar-se avistando-se a cerca de cinco quilómetros, para poente, um parque eólico de média dimensão e um pouco mais longe o casario da zona de Pombal. Para oriente as montanhas de Ansião e Alvaiázere, que fazem parte do chamado maciço de Sicó, erguem-se imponentes, mas sobranceiras a longos vales o que realça a ideia de que se trata de facto de um conjunto montanhoso pouco interligado.

Vêem-se rochas calcárias por todo o lado, mas que, contudo, deixam espaços para o afloramento de vegetação e sobretudo muitas oliveiras de pequeno porte.


Miradouro no cimo da serra e também o edifício inacabado que, depois
 de algumas pesquisas, concluímos que se destinava a uma Capela.  
No cimo da serra foi instalado um miradouro, igual a muitos outros que se encontram em sítios elevados desta região. Tem um relógio e sol e vistas para oeste vislumbrando-se ao longe uma linha no horizonte para lá da qual se adivinham as águas azuis do oceano Atlântico. Ainda mais para cima avista-se um edifício em tijolo, inacabado, com um aspeto um tanto misterioso. Furando a placa do telhado, ostenta o que parece ser uma grande chaminé, mas depois de entrar no edifício, que se encontra abandonado verifica-se que, possivelmente, se trata de um mirante. Conjeturando sobre a finalidade daquela construção inacabada, as probabilidades apontam para um possível projeto turístico que terá falido ainda antes de iniciar a atividade. Estas suposições estavam erradas, em parte, como vim a descobrir mais tarde; afinal o edifício destinava-se a uma Capela, o que, provavelmente e como acontece em outros montes e serras (algumas bem próximas), iria trazer romarias ou pelo menos maior número de visitantes ao local, não estando, portanto, o aspeto turístico completamente fora de contexto.

Ainda mais para cima vamos encontrar um espaço terraplanado, antes de chegarmos à vertente norte da montanha que, em descida abrupta, forma um quase precipício, o que impede que daquele lado da montanha existam acessos para o fundo do vale, que dali se avista formando um quadro de uma beleza imensa. O espaço terraplanado é uma pista de parapentes e, de resto, o local (pelo menos aos olhos de um leigo na matéria) parece ser ótimo para a prática desse desporto.

A cerca de 500 metros dali, o complexo de antenas parece uma visão que se intromete naquela paisagem simultaneamente agreste e idílica. Aquelas torres metálicas e os pequenos edifícios que têm na base destoam da ambiência do local, parecendo que estão ali a desafiar e a fazer uma intrusão na natureza.

Parque de antenas, torre de vigia e marco geodésico.
Aquele parque de emissores faz lembrar um pouco o parque do Trevim, na serra da Lousã e, embora seja mais pequeno e não tenha grandes edifícios como o Trevim, os dois têm algumas semelhanças, nem que seja pelo local onde estão instalados, ou seja, em sítios isolados e de grande beleza paisagística. Não nos pareceu estar envolto em mistério como aconteceu quando visitamos o Trevim (Veja Instalaçõesmilitares na serra da Lousã”), mas isso deveu-se ao facto de estar um dia de sol magnifico, que contrastava com o dia de chuva, neve e nevoeiro que estava no dia em que fomos ao Trevim.

Ali, como acontece no cimo de quase todos os montes, foi construído um marco geodésico. Este marco é de formato piramidal, idêntico ao do Trevim e, tal como ele tem ao lado um marco mais pequeno de forma cilíndrica. Ao lado está uma moderna torre de vigia de incêndios, também esta de forma circular. Como curiosidade refira-se que estas torres são autónomas em termos energéticos, utilizando energias renováveis, como a solar, têm um máximo de 25 metros de altura, fechadura magnética e uma resistência a ventos até 200 quilómetros por hora.

Iniciámos a descida da montanha agora pela vertente leste em direção a Ramalhais. Ao longe as serras de Ansião e Alvaiázere, recortadas no céu azul pareciam desafiar a uma visita. Mentalmente aceitámos o desafio; afinal acabávamos de subir apenas a uma das montanhas da serra de Sicó e esta nem sequer era a mais alta.


                   

Comentários

  1. De facto a Serra de Sicó é um tesouro por descobrir, além da paisagem merece especial atenção a flora riquíssima em plantas aromáticas mediterrânicas, entre elas destaca-se a erva de santa maria que dizem ser a responsável pelo inegualável sabor do queijo do rabaçal. É uma serra linda que marca a zona de transição entre o norte continental e atlântico e o sul mediterrânico.
    Parabens pelo seu artigo, quando puder escreva também sobre as plantinhas que atapetam o Sicó.
    Um abraço
    JA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade que a Serra de Sicó é muito bonita e registo com agrado a sua sugestão para escrever sobre a sua flora. Já estão no blog alguns artigos sobre a região e espero escrever mais, o problema é a falta de tempo, pois para escrever este tipo de artigos recorro a pesquisas próprias no terreno e isso dá algum trabalho e leva o seu tempo, mas o que importa é esses artigos sejam apreciados e relevantes para quem os lê.
      Obrigado e um abraço.

      Excluir

Postar um comentário