SEMENTEIRAS DE OUTONO


Este ano decidi iniciar as sementeiras de alhos, favas e ervilhas um pouco mais cedo. Normalmente faço esse trabalho durante os meses de Novembro e Dezembro, mas como o tempo tem estado ótimo para as tarefas do campo, aproveitei esse facto e semeei já uma pequena quantidade desses produtos, contando fazer outra sementeira lá para finais de Dezembro ou Janeiro, o que, no que respeita às favas e ervilhas, irá originar um período mais alargado em que será possível ter esses legumes à disposição para consumo em fresco.

Também aproveitei para plantar nabiças para obtenção de grelos e couves galegas, estas últimas mais para servirem de alimento às aves da capoeira. Apesar de já ter muitas couves plantadas, elas nunca são de mais, pois as galinhas, patos ou outros animais de criação, precisam de ter sempre alimentos verdes à disposição.

Já estão alguns posts no blog que falam sobre sementeiras de favas e ervilhas feitas em anos anteriores, pelo que aqui vou descrever mais em pormenor a forma de fazer as sementeiras de alhos. Naturalmente que sobre a forma de fazer esse trabalho existem opiniões diferentes, aliás como é comum a muitas outras tarefas. Quando se trata de fazer uma pequena sementeira com a finalidade de obter alhos apenas para consumo próprio, provavelmente não existirão preocupações com técnicas complicadas que podem originar despesas como fazer análises ao solo, consultar um agrónomo etc. De qualquer modo, é sempre bom ter um mínimo de conhecimentos para que as nossas pequenas culturas sejam bem sucedidas e o nosso trabalho não seja em vão.



Semear alhos

Apesar de ser um dos condimentos mais usados pelas donas de casa, o alho ainda mantém o seu preço bastante elevado em feiras e supermercados. Mas podemos resolver esse problema, tornando-nos autossuficientes nesse produto, ou seja, semeando os alhos para o nosso próprio consumo

Quem quiser ter à mão esse saboroso condimento e que também é um potente medicamento natural, deve semear alhos. Muito mais do que um conhecido tempero, o alho (Allium sativum) é uma planta de grandes propriedades medicinais; o seu uso é indicado para distúrbios intestinais, problemas de pressão, circulação e insónia.

Verdadeiro antibiótico natural, o alho é rico em allicim, substância que age sobre bacilos e germes causadores de doenças como tuberculose, tifo, difteria, etc. Além disso o alho ainda desinfeta as vias respiratórias, abre o apetite e purifica o sangue.

Para quem quiser investir na sementeira, indo para além das necessidades da cozinha de casa, o retorno pode ser compensador. Num hectare é possível colher mais de três mil quilos, cuidando bem da cultura.

Os dentes devem ser colocados na terra com o bico para
cima para facilitar a germinação. É por aí que a planta vai
desabrochar, como é possível ver já no dente da direita.
Antes de mais nada, é importante saber que a semente do alho é o próprio dente, conhecido como bulbilho. Mas não se aventure a semear dentes de alhos comprados nas feiras ou nos supermercados. É conveniente adquirir as sementes em casas especializadas.

Antes de iniciar a sementeira, tenha em mente algumas informações importantes: o alho é uma cultura de inverno e gosta de climas frios e muita luz para se desenvolver bem. Por isso, não tente semear o produto em áreas sombreadas, quentes ou muito húmidas.

Há um tipo de alho recomendado para cada região e determinadas situações. Há variedades de alho precoces que produzem em 135 dias, em média, enquanto outros tipos levam 175 dias, aproximadamente, para produzir. E ainda há diferenças quanto à coloração, que pode ser roxa ou branca, número de dentes, peso médio, etc. Por isso é conveniente consultar um agrónomo local, ou um agricultor experiente, para escolher a semente mais indicada para o seu terreno.

Seja qual for a semente indicada, jamais empregue dentes com peso inferior a uma grama. O peso ideal da semente é de uma a duas gramas.


Época da sementeira

Basicamente, a época mais indicada para as sementeiras de alho são os meses de Outono, ou seja os meses de Outubro a Dezembro no hemisfério norte e os meses de Abril a Junho no hemisfério sul, mas essas sementeiras podem ser antecipadas ou retardadas, consoante o tipo de clima da região e do próprio terreno onde elas vão ser feitas.

O alho prefere solos bem drenados, leves e férteis. De qualquer forma, não deixe de fazer a análise do solo. Esse cuidado é importante porque o alho é uma cultura muito exigente em boro, zinco e magnésio – além dos nutrientes tradicionais (N, P e K). Além disso, o alho não se desenvolve bem em terras ácidas, de baixo pH; as suas raízes se atrofiam e, geralmente, a planta morre. Por isso é quase que obrigatória a calagem, ou seja, a aplicação de calcário no solo, cujos teores são indicados pela análise.


Preparação dos canteiros e sementeira

Coloque os dentes espaçados cerca de 15 cm em regos
afastados 20 a 30 cm entre si. Cubra com 3 ou 4 cm de terra.
Para facilitar o seu trabalho prepare canteiros com 1,00 a 1,20 m de largura, com 10 a 15 cm de altura e 30 a 40 cm de espaçamento. Os canteiros facilitam o trabalho de limpeza, controle de pragas, combatem a erosão do solo e evitam o excesso de humidade.

Agora que a terra está pronta para receber os dentes de alho, vamos à sementeira: o espaço entre fileiras deve ser de 20 a 30 cm, enquanto as sementes devem ficar distantes 15 cm entre si. Para aumentar a produtividade coloque os dentes de alho, cuidadosamente, com o bico voltado para cima, entre 2 a 4 cm de profundidade. Esta posição facilita a germinação da semente e torna a cultura mais uniforme.

Feito a sementeira, cubras os canteiros com uma camada de palha de haste de arroz ou capins secos. Além de proteger os canteiros, a palha mantém um teor adequado de humidade no solo, evita o ressecamento, ajuda a controlar as ervas e mantém estabilizada a temperatura do solo, favorecendo a germinação das plantas.


Irrigação

Após a sementeira, regue os canteiros diariamente, tendo, porém, cuidado para não os encharcar. Lembre-se que os alhos brancos precoces não suportam muita humidade, enquanto os arroxeados, de ciclo médio ou tardio, exigem mais água. Em qualquer dos casos, suspenda a irrigação cerca de 20 dias antes da colheita.

Além de água, a cultura do alho precisa de proteção contra a competição das ervas daninhas, que pode reduzir sensivelmente a sua produção. A cobertura de palha ajuda a diminuir a incidência de ervas, mas não deixe de controlar as plantas infestantes que aparecerem nos canteiros, arrancando-as à mão. É mais seguro do que utilizar enxadas ou máquinas.


Colheita

Faça a colheita quando as plantas estiverem amarelecidas, com a parte aérea seca e tombada. Esta operação também é feita manualmente, de preferência em dias secos e bem ensolarados, para favorecer a qualidade do produto.


Cura

O passo seguinte à colheita é a chamada cura, isto é, o processo de eliminação do excesso de água contida na planta, que começa no próprio campo: o alho é colhido com a rama e deixado no chão exposto ao sol, durante três dias. Aqui, outro cuidado: os bolbos não podem apanhar sol diretamente, Assim, enfileire as plantas no campo, com a parte dos bolbos voltada para o nascente, de forma que a rama de uma planta cubra o bolbo da seguinte. Os primeiros bolbos devem ser cobertos com vegetação.

Para completar o processo de cura, guarde o alho em armazém seco, bem ventilado e protegido de humidade e da ação de pragas. Este processo demora aproximadamente 30 dias e, para ser apressado, conserve a rama das plantas, pois isso ajuda à eliminação da humidade excessiva.



Para terminar apresento um vídeo que fiz sobre as minhas primeiras sementeiras de outono. Espero que veja e goste.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário :

Postar um comentário