NAUS DE CIMENTO E O PROJETO PARA UM "BARCO A SÉRIO"

Sempre tive uma grande paixão por navios, sobretudo por veleiros e pelas naus e caravelas do tempo dos Descobrimentos. Foi por isso que construí várias miniaturas em madeira e também uma esculpida em pedra, das quais já falei em vários artigos do blogue (links no final do post).

Vou falar hoje, pela primeira vez, de três miniaturas de naus que construí utilizando argamassa de cimento e areia.


Miniatura construída com cimento branco, tendo levado um corante preto, exceto nas velas. 



Nesta miniatura foi utilizado cimento normal cinza.

Esta foi feita com cimento branco.
Estes trabalhos foram realizados recorrendo a um molde que fiz com barro, onde desenhei e escavei as embarcações ficando assim as suas formas em relevo. Trata-se de um trabalho completamente amador, mas, na minha suspeita opinião, duas destas naus são ótimos elementos decorativos para o exterior da casa, mormente para o jardim. Uma delas, precisamente a primeira a ser feita defraudou as minhas expectativas e, talvez por isso, resolvi fazer mais duas na tentativa de melhorar os resultados.

O tabuleiro com o barro amassado para o molde.

O desenho pronto a receber a argamassa. De notar que a imagem tem de ficar
 como se fosse vista através de um espelho 
Bem… agora, e para começar o Novo Ano com um projeto também novo em mente, decidi construir um barco a sério (peço ao leitor que desculpe o exagero), para nele poder navegar, nem que seja apenas nas escassas águas do meu pequeno rio.

Não tenho planos escritos ou desenhados em papel para a construção. Os que existem estão apenas na minha cabeça e, tal como procedi com as miniaturas, será um trabalho desenvolvido um pouco ao sabor do acaso, esperando que seja uma experiência positiva e que proporcione novas aprendizagens.

Será um barco com cerca de 3,50 metros de comprimento, com 1,40 de boca e vai ser equipado com remos, mas poderá, se tudo correr bem, levar um pequeno mastro para navegação à vela ou até, quem sabe… um pequeno motor fora de borda.

Espero não estar a sonhar demasiado alto, até porque os materiais para a construção vão ser, na medida do possível, reaproveitados de diversas coisas, tal como madeira em desuso que esteja em bom estado, materiais plásticos, etc.

Terá capacidade, se os meus cálculos não falharem muito, para três pessoas, poderá navegar em águas de muito pouca profundidade graças ao fundo largo e chato e o seu peso não deverá ultrapassar os 50 Kg. Será equipado com duas rodas na popa para facilitar o transporte em pequenas distâncias ou até para colocar e retirar o barco da água, uma vez que será recolhido sempre após cada utilização.

Já iniciei os trabalhos encontrando-me a preparar as madeiras e a reunir os materiais necessários, no entanto vai ser uma obra para realizar aos poucos, apenas durante umas pequenas escapatórias às rotina diária de trabalho ou em serões, pelo que só deverá ficar pronto na primavera ou início do verão. Irei dando a conhecer no blogue o andamento dos trabalhos e, no final, publicarei um artigo mais extenso com todos os pormenores da construção e um pequeno filme com imagens das várias fases do trabalho e também da “cerimónia” de lançamento à agua, que espero seja uma grande festa.

Para já deixo uma foto do esqueleto do barco, ainda numa fase de estudo de medidas e inclinações, forma da proa, popa, etc. 

Será que daqui vai nascer um barco a sério?

O leitor pode ver fotos do barco já pronto em "João Persiana"

Artigos relacionados:


Comentários

  1. Excelentes os trabalhos de inspiração naval.
    Tenho a certeza de que vai ser bem sucedido na construção do barco.
    Entretanto, deixo-lhe o link para o site de um amigo meu, que também foi marinheiro e, para além disso, faz das miniaturas com pedras a sua arte.

    http://www.arturgueifao.com/index.php

    ResponderExcluir
  2. Olá amigo Luíz Alexandre,
    Sabe sempre bem ler palavras amáveis como as suas.
    Já fui visitar o site do seu amigo, é muito interessante!
    Muito obrigado!

    ResponderExcluir

Postar um comentário